Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.523,47
    -1.617,17 (-1,47%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.049,05
    +174,14 (+0,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,23
    -2,65 (-3,49%)
     
  • OURO

    1.877,70
    -53,10 (-2,75%)
     
  • BTC-USD

    23.336,59
    -221,69 (-0,94%)
     
  • CMC Crypto 200

    535,42
    -1,43 (-0,27%)
     
  • S&P500

    4.136,48
    -43,28 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    33.926,01
    -127,93 (-0,38%)
     
  • FTSE

    7.901,80
    +81,64 (+1,04%)
     
  • HANG SENG

    21.660,47
    -297,89 (-1,36%)
     
  • NIKKEI

    27.509,46
    +107,41 (+0,39%)
     
  • NASDAQ

    12.616,50
    -230,25 (-1,79%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5385
    +0,0488 (+0,89%)
     

Relatório do Pentágono tem mais de 500 observações de OVNIs em 2022

Nesta quinta-feira (12), o Escritório da Direção de Inteligência Nacional (ODNI), do Pentágono, publicou o aguardado Relatório Anual de Fenômenos Aéreos Não Identificados de 2022. Solicitado pela Lei de Autorização de Defesa Nacional de 2022, o documento foi elaborado elaborado a partir de escritórios de inteligência militar, da NASA, da Administração Federal de Aviação, entre outras.

O relatório contém mais de 500 relatos de fenômenos aéreos não identificados, ou “UAPs” (há também a sigla "OVNI" para descrevê-los, mas oficiais norte-americanos e alguns cientistas preferem usar o termo UAP quando não têm certeza de que a observação foi mesmo de um objeto), coletados a partir das agências e instituições militares dos Estados Unidos.

O documento destaca que a maioria dos relatos vem de membros da Marinha e Força Aérea do país, que descreveram suas observações por meio de canais oficiais. Dos 510 relatos, o ODNI avalia que 366 são novos, identificados desde a criação do Escritório de Resolução de Anomalias em Todos os Domínios (AARO).

Deles, 26 foram caracterizados como sistemas de aeronaves não tripuladas, ou drones, enquanto 163 foram relacionados a balões ou objetos semelhantes. Ainda, seis foram descritos como aves ou sacolas plásticas flutuando no ar.

Mais de 100 UAPs observados seguem com origem desconhecida (Imagem: Reprodução/New York Times/U.S. Department of Defense)
Mais de 100 UAPs observados seguem com origem desconhecida (Imagem: Reprodução/New York Times/U.S. Department of Defense)

Isso significa que 171 UAPs observados continuam com identidade ou origem desconhecidas. “Alguns destes UAPs não caracterizados parecem ter demonstrado características de voo ou performance pouco usuais, e exigem novas análises”, acrescentaram os oficiais no documento. A nova publicação não traz conclusões definitivas sobre as origens deles, mas dá ênfase na questão da segurança aérea.

Embora o relatório conclua que os “UAPs continuam representando um perigo para a segurança aérea e representam uma possível ameaça de coleta de adversários”, grande parte deles não tem dados detalhados o suficiente para permitir a atribuição do UAP com alto grau de certeza. Segundo o ODNI, a agência continua avaliando que as observações podem ser resultado de um viés de coleta causado pelo número de aeronaves e sensores ativas.

Isso significa que a instituição considera que os oficiais militares servindo em espaço aéreo controlado podem relatar mais UAPs ali, porque há, naturalmente, mais sensores observando o céu. Outros fatores, como condições meteorológicas, atmosféricas e até relâmpagos, podem também afetar a observação dos UAPs — e a agência não descarta a possibilidade de detecções vindas de erros de equipamentos ou de sensores.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: