Mercado fechado
  • BOVESPA

    121.909,03
    -129,08 (-0,11%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.867,15
    +618,13 (+1,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,78
    -0,14 (-0,22%)
     
  • OURO

    1.835,70
    -1,90 (-0,10%)
     
  • BTC-USD

    56.377,14
    -1.787,16 (-3,07%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.490,63
    -70,66 (-4,53%)
     
  • S&P500

    4.188,43
    -44,17 (-1,04%)
     
  • DOW JONES

    34.742,82
    -34,94 (-0,10%)
     
  • FTSE

    7.123,68
    -6,03 (-0,08%)
     
  • HANG SENG

    28.595,66
    -14,99 (-0,05%)
     
  • NIKKEI

    29.241,05
    -277,29 (-0,94%)
     
  • NASDAQ

    13.329,00
    -27,75 (-0,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3422
    +0,0020 (+0,03%)
     

Relatório da reforma tributária deve ser lido na terça-feira em comissão do Congresso

Maria Carolina Marcello
·1 minuto de leitura
Congresso Nacional, em Brasília

Por Maria Carolina Marcello

BRASÍLIA (Reuters) - O relatório da reforma tributária será lido na terça-feira em reunião da comissão mista do Congresso que discute o tema, informou a assessoria do relator do texto, deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), nesta segunda-feira.

O presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), havia anunciado na semana passada que receberia o relatório final da reforma tributária nesta segunda, reiterando que sua aprovação é prioridade.

Lira, que vem declarando estar pessoalmente envolvido nas articulações da reforma, defende que seja votada por partes, iniciando pelos temas com maior facilidade de aprovação.

A comissão mista do Congresso, formada por deputados e senadores, não tem poder de adiantar a tramitação da proposta. O parecer a ser produzido por esse colegiado ainda precisará passar pela Câmara e pelo Senado.

O Congresso assumiu o compromisso e votar as reformas administrativa e tributária neste ano, assim como outras medidas que ajudem a economia a se recuperar dos impactos da pandemia de Covid-19.

A tramitação das duas matérias --naturalmente espinhosas por tratarem de interesses dos entes federados, no caso da tributária, e do funcionalismo público, da administrativa-- pode, no entanto, pode enfrentar dificuldades diante da pandemia e do calendário eleitoral do ano que vem.

Outro fator que pode pesar o clima político e contaminar as discussões diz respeito à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid em funcionamento no Senado, que deve promover nesta semana uma rodada de oitivas com o atual ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, e com os ex-titulares da pasta Luiz Henrique Mandetta, Nelson Teich e Eduardo Pazuello, além do presidente da Anvisa, Antônio Barra Torres.