Mercado fechado
  • BOVESPA

    112.316,16
    -1.861,39 (-1,63%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    54.774,91
    -389,10 (-0,71%)
     
  • PETROLEO CRU

    79,38
    -1,63 (-2,01%)
     
  • OURO

    1.943,90
    -2,80 (-0,14%)
     
  • BTC-USD

    23.034,82
    -153,82 (-0,66%)
     
  • CMC Crypto 200

    526,66
    +9,65 (+1,87%)
     
  • S&P500

    4.070,56
    +10,13 (+0,25%)
     
  • DOW JONES

    33.978,08
    +28,67 (+0,08%)
     
  • FTSE

    7.765,15
    +4,04 (+0,05%)
     
  • HANG SENG

    22.688,90
    +122,12 (+0,54%)
     
  • NIKKEI

    27.382,56
    +19,81 (+0,07%)
     
  • NASDAQ

    12.221,00
    +114,25 (+0,94%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5462
    +0,0265 (+0,48%)
     

Relatório do Congresso dos EUA questiona aprovação federal de medicamento para Alzheimer

Um relatório do Congresso dos Estados Unidos revelou nesta quinta-feira (29) que o processo de aprovação de um medicamento controverso para a doença de Alzheimer pela agência americana de medicamentos (FDA) estava "repleto de irregularidades".

A investigação de 18 meses sobre o sinal verde dado ao medicamento Aduhelm pela FDA também aponta para a sua fabricante, a empresa de biotecnologia Biogen. Com sede em Cambridge, no estado de Massachusetts, a empresa estabeleceu um "preço excessivamente alto" para o Aduhelm, de US$ 56 mil por ano, por "fazer história" com o primeiro medicamento aprovado em décadas para tratar o Alzheimer, diz o relatório.

O Aduhelm foi beneficiado com uma "aprovação acelerada" da FDA em junho, apesar de um painel independente que assessorava o regulador de medicamentos dos EUA não encontrar evidências suficientes de seus benefícios. Alguns especialistas chegaram a levantar preocupações com inconsistências nos dados clínicos do medicamento.

Pelo menos três dos 11 membros do comitê independente que votou por unanimidade contra a recomendação do medicamento à FDA renunciaram posteriormente.

- Oportunidade sem precedentes -

De acordo com o inquérito parlamentar, a FDA "considerou o Aduhelm sob o processo de aprovação tradicional usado para a maioria dos medicamentos por nove meses, antes de mudar abruptamente de curso e conceder a aprovação em um processo acelerado e após um período de revisão de três semanas".

Os investigadores descobriram que as interações entre a FDA e a Biogen eram "atípicas" e incluíam a falta de documentação adequada dos contatos entre o pessoal da agência reguladora e a fabricante do medicamento.

A FDA e a Biogen também "colaboraram de forma inadequada" em um documento conjunto para um importante comitê consultivo. "O processo de aprovação da FDA estava repleto de irregularidades", afirma o relatório.

Quanto à Biogen, o relatório observa que a empresa "viu o Aduhelm como uma oportunidade financeira sem precedentes - estimando uma receita potencial máxima de US$ 18 bilhões por ano".

A investigação cita uma apresentação da Biogen em 2020 em que a empresa diz que "nossa ambição é fazer história" e "estabelecer o Aduhelm como um dos principais lançamentos farmacêuticos de todos os tempos".

- 'Chamada de atenção' -

Carolyn Maloney, presidente do Comitê de Supervisão e Reforma da Câmara dos Representantes, disse ter esperança de que as descobertas do relatório sejam "um alerta para que a FDA reforme suas práticas".

Frank Pallone, presidente do Comitê de Comércio e Energia, afirmou que o relatório "documenta o processo de revisão atípico da FDA e a ganância corporativa que precedeu a decisão controversa da agência de dar uma aprovação acelerada ao Aduhelm".

"Embora todos apoiemos a pesquisa de novas curas e tratamentos para doenças devastadoras, como o mal de Alzheimer, devemos garantir que a conveniência não tenha prioridade sobre os protocolos", opinou Pallone. "A segurança do paciente e a eficácia dos medicamentos devem permanecer no centro do nosso processo nacional de revisão da regulamentação farmacêutica", acrescentou.

Em comunicado, a FDA enfatizou que permanece comprometida "com a integridade do nosso processo de aprovação de medicamentos, que inclui garantir que novas opções de tratamento seguras e eficazes estejam disponíveis para milhões de pacientes com Alzheimer".

A Biogen, por sua vez, sustentou que "defende a integridade das medidas que adotou". "A Biogen está comprometida a pesquisar e desenvolver tratamentos para a doença de Alzheimer há mais de uma década", acrescentou a empresa. "Focamos incansavelmente na inovação para enfrentar esse desafio global de saúde, e nos adaptamos tanto aos sucessos quanto aos contratempos."

cl/bfm/cjc/llu/am/lb