Mercado fechará em 3 h 16 min
  • BOVESPA

    111.550,46
    -2.262,41 (-1,99%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.521,34
    -208,46 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    91,46
    +0,96 (+1,06%)
     
  • OURO

    1.764,00
    -7,20 (-0,41%)
     
  • BTC-USD

    21.601,46
    -1.694,27 (-7,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    513,79
    -27,81 (-5,13%)
     
  • S&P500

    4.239,99
    -43,75 (-1,02%)
     
  • DOW JONES

    33.808,71
    -190,33 (-0,56%)
     
  • FTSE

    7.550,37
    +8,52 (+0,11%)
     
  • HANG SENG

    19.773,03
    +9,12 (+0,05%)
     
  • NIKKEI

    28.930,33
    -11,77 (-0,04%)
     
  • NASDAQ

    13.273,50
    -249,75 (-1,85%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,2051
    -0,0087 (-0,17%)
     

Relação entre vacinas anticovid e problemas cardíacos ainda gera dúvidas

O risco de sofrer problemas cardíacos após receber uma vacina anticovid baseada na tecnologia de RNA mensageiro é baixo, mas não é totalmente descartado, e alguns cientistas lamentam a falta de estudos conclusivos.

"Há mais um de um ano e meio estamos aplicando massivamente a vacina de RNA mensageiro e ainda não temos certeza absoluta" sobre seus riscos cardiovasculares, afirmam os pesquisadores americanos Jing Luo e Walid Gellad, em um editorial publicado no periódico British Medical Journal em meados de julho.

Esse artigo de opinião se baseia em um amplo estudo divulgado pela mesma revista sobre a frequência de miocardite e de pericardite, dois tipos de inflamação cardíaca, em pacientes que receberam doses da vacina da Moderna, ou da Pfizer/BioNTech.

Os riscos foram detectados logo após as campanhas de vacinação em massa feitas em 2021. Os críticos dessas campanhas utilizaram esse argumento para se opor à imunização.

A frequência desses problemas cardíacos é, no entanto, rara e, considerando-se o tempo transcorrido, não parecem ter gerado complicações graves na maioria de casos. Além disso, a própria covid-19 gera riscos cardiovasculares.

Os editores da BMJ reconhecem, no entanto, que há razões para a insatisfação da comunidade científica em relação ao grau de conhecimento desses riscos.

"É verdade que as miocardites são raras depois da vacinação", concordam os especialistas. "Mas, até que ponto? A questão tem uma importância fundamental", completam.

O estudo que acompanha esse artigo foi feito com base nos resultados de cerca de 50 trabalhos de campo anteriores.

O risco de miocardite é incontestavelmente maior entre os homens jovens. E, aparentemente, ainda que as conclusões sejam menos evidentes, esse risco está mais relacionado à vacina da Moderna do que à da Pfizer/BioNTech.

Países como a França decidiram por um período destinar a vacina da Moderna aos maiores de 30 anos, enquanto em outros países, como Estados Unidos, não se fez esta distinção.

- O que acontece com as doses de reforço? -

O estudo não esclarece todas as dúvidas, porque as metodologias de trabalho variam muito em função de cada análise. Além disso, alguns dados obtidos são insatisfatórios. Um exemplo é a vacinação de crianças, autorizada em muitos países, mas que nunca decolou, devido à reticência dos pais.

Ainda que as miocardites pareçam ser "muito raras entre crianças de 5 a 11 anos", os dados são incompletos, explicam os autores do artigo.

Na maioria dos casos, as miocardites e as pericardites foram sanadas sem maior gravidade, mas não houve um acompanhamento a longo prazo. Sendo assim, os pesquisadores desconhecem os riscos de sequelas.

Também não se sabe se os riscos voltam a aumentar após cada dose de reforço. Este dado é decisivo para o planejamento de campanhas de vacinação a longo prazo nos países mais avançados, onde a vacinação básica está praticamente concluída.

Uma equipe francesa publicou nesta sexta-feira um relatório, que ainda deve ser submetido à verificação independente, com dados da campanha de imunização pública neste país.

Os autores concluíram que o risco de miocardite aumenta efetivamente com uma dose de reforço do imunizante da Pfizer/BioNTech e da Moderna, mas com menor intensidade com a vacina inicial.

"Além disso, o risco diminui com o aumento dos prazos entre as doses", concluíram os autores do estudo, dirigido pelo epidemiologista Mahmoud Zureik para a Epi-Phare, uma agência de saúde pública francesa.

jdy/ito/jz/meb/jc/tt

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos