Mercado abrirá em 3 h 7 min
  • BOVESPA

    111.183,95
    -355,84 (-0,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.377,47
    +695,28 (+1,52%)
     
  • PETROLEO CRU

    60,64
    -0,64 (-1,04%)
     
  • OURO

    1.708,70
    -7,10 (-0,41%)
     
  • BTC-USD

    48.918,36
    -1.751,10 (-3,46%)
     
  • CMC Crypto 200

    981,74
    -5,47 (-0,55%)
     
  • S&P500

    3.819,72
    -50,57 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    31.270,09
    -121,43 (-0,39%)
     
  • FTSE

    6.606,60
    -68,87 (-1,03%)
     
  • HANG SENG

    29.236,79
    -643,63 (-2,15%)
     
  • NIKKEI

    28.930,11
    -628,99 (-2,13%)
     
  • NASDAQ

    12.597,00
    -84,75 (-0,67%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7699
    -0,0088 (-0,13%)
     

Reino Unido tem recorde de mortos e hospitais lembram 'zonas de guerra'

Anna CUENCA
·3 minuto de leitura
Médicos levam paciente de uma ambulância para o hospital Real de Londres em 19 de janeiro de 2021

Os hospitais britânicos parecem uma "zona de guerra", devido ao aumento de pacientes com o novo coronavírus, advertiu o assessor científico do governo, Patrick Vallance, em um país que não para de bater recordes de mortos, com 1.820 óbitos nesta quarta-feira (20). 

A situação é "muito, muito ruim neste momento, com uma enorme pressão, e em alguns casos parece uma zona de guerra em termos do que as pessoas têm que administrar", afirmou Vallance ao canal privado Sky News.  

O Reino Unido é duramente castigado por uma nova onda de infecções atribuída a uma variante do novo coronavírus, descoberta em dezembro no sul da Inglaterra que, segundo cientistas britânicos, é de 50% a 70% mais contagiosa do que as anteriores.   

Nesta quarta, o país registrou 1.820 novas mortes nos 28 dias posteriores a um resultado positivo de exame da covid-19, segundo cifras do ministério da Saúde. 

Trata-se de um recorde desde o início da pandemia, que já matou 93.290 pessoas no país, o maior balanço na Europa, após os 1.610 mortos registrados na terça-feira e os  1.564 de uma semana atrás. 

"Estas cifras são terríveis e logicamente pensamos no sofrimento que cada uma dessas mortes representa para suas famílias e amigos", afirmou o primeiro-ministro, Boris Johson, em entrevista à imprensa britânica em Downing Street. 

Mas, "tenho que dizer-lhes (...) que haverá mais porque o que estamos vendo é o resultado da onda da nova variante que vimos logo antes do Natal", advertiu o líder conservador, muito criticado desde o início da crise sanitária por suas políticas erráticas na luta contra o novo coronavírus.

- Vacinação durante anos -

Atualmente, todo o Reino Unido está confinado pela terceira vez, com escolas fechadas.

Estas medidas, iniciadas em diferentes momentos de acordo com as regiões, parecem começar a dar resultados na diminuição dos contágios: foram 38.905 registrados na quarta-feira diante dos cerca de 60.000 reportados diariamente há pouco. 

No entanto, as hospitalizações ainda aumentam. Há 37.946 doentes graves da covid-19 internados atualmente, 3.916 deles com respiradores, muito mais do que durante a primeira onda na primavera passada no hemisfério norte. 

Desde o começo de dezembro, o governo britânico realiza um ambicioso programa de vacinação em massa com a esperança de poder suspender o confinamento gradualmente em março. 

Mais de 4,2 milhões de pessoas - maiores de 80 anos e pessoal sanitário - receberam uma primeira dose das vacinas da Pfizer/BioNTech e da AstraZeneca/Oxford e o governo estabeleceu o objetivo de vacinar 15 milhões de pessoas até meados de fevereiro. 

Nesta segunda, a campanha se estendeu a pessoas com 70 anos ou mais e a pacientes "extremamente vulneráveis", devido a problemas de saúde.

No entanto, Vallance advertiu que assim que tiver vacinado todos os adultos - o que o governo prevê fazer até setembro - a vacina não desaparecerá.

"É muito provável que a vacinação regular seja necessária ao menos durante alguns anos e penso que é muito provável que estas vacinas tenham que mudar um pouco como a gripe a cada ano", devido a mutações o vírus, avaliou Vallance. 

acc/mb/mvv