Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    47.419,92
    +1.088,25 (+2,35%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7577
    +0,0188 (+0,28%)
     

Reino Unido sofrerá impacto muito maior no PIB por Brexit do que UE, diz Comissão

·1 minuto de leitura
Caminhões fazem fila no controle de fronteiras de Dover, no Reino Unido, após fim do período de transição do Brexit

BRUXELAS (Reuters) - A saída do Reino Unido da União Europeia custará ao bloco cerca de 0,5% do crescimento econômico nos próximos 24 meses, mas o Brexit será mais de quatro vezes mais doloroso para os britânicos, disse a Comissão Europeia nesta quinta-feira.

O Reino Unido deixou a UE no final de janeiro do ano passado, mas manteve o acesso total ao mercado único do bloco de 27 nações até o final de 2020, quando ele foi substituído por um acordo comercial.

"Para a UE, em média, a saída do Reino Unido da União Europeia nos termos do Acordo de Livre Comércio deve gerar uma perda de produção de cerca de 0,5% do PIB até o final de 2022, e de cerca de 2,25% para o Reino Unido," disse a Comissão.

O acordo comercial UE-Reino Unido cobre bens, serviços, investimento, concorrência, subsídios, transparência tributária, transporte aéreo e rodoviário, energia e sustentabilidade, pesca, proteção de dados e coordenação da seguridade social.

No comércio de bens, o acordo estabelece tarifas zero e cotas zero para todos os bens que cumpram as regras de origem apropriadas -- uma opção mais favorável ao comércio do que os termos comerciais padrão sob as regras da Organização Mundial do Comércio (OMC).

Mas a Comissão também disse que embora não haja tarifas e cotas sobre bens, há barreiras não tarifárias significativas para o comércio de bens e serviços.

"Em suma, embora o pacto melhore a situação em comparação com um resultado sem acordo comercial entre a UE e o Reino Unido, ele não pode chegar perto dos benefícios das relações comerciais proporcionadas pela adesão à UE", disse a Comissão.