Mercado abrirá em 5 h 35 min
  • BOVESPA

    112.611,65
    +1.322,47 (+1,19%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.466,02
    -571,03 (-1,12%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,26
    +0,65 (+0,75%)
     
  • OURO

    1.796,80
    +3,70 (+0,21%)
     
  • BTC-USD

    37.346,57
    +1.357,84 (+3,77%)
     
  • CMC Crypto 200

    847,44
    +27,94 (+3,41%)
     
  • S&P500

    4.326,51
    -23,42 (-0,54%)
     
  • DOW JONES

    34.160,78
    -7,31 (-0,02%)
     
  • FTSE

    7.554,31
    +84,53 (+1,13%)
     
  • HANG SENG

    23.585,71
    -221,29 (-0,93%)
     
  • NIKKEI

    26.717,34
    +547,04 (+2,09%)
     
  • NASDAQ

    14.142,50
    +155,75 (+1,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0544
    +0,0304 (+0,50%)
     

Reino Unido retoma negociações com a UE sobre Irlanda do Norte

·2 min de leitura
A secretária de Relações Exteriores do Reino Unido, Liz Truss, recebeu Sefcovic na sede do governo (AFP/Ben STANSALL) (Ben STANSALL)

O governo britânico retoma nesta quinta-feira (13) as negociações com a União Europeia (UE) sobre o status da Irlanda do Norte após o Brexit, instando Bruxelas ao "pragmatismo" após meses de bloqueio.

A cargo deste assunto explosivo desde a renúncia em dezembro do negociador David Frost, a ministra das Relações Exteriores, Liz Truss, recebe esta tarde e até sexta-feira (14) o vice-presidente da Comissão Europeia, Maros Sefcovic, no Castelo de Chevening, a residência do chefes da diplomacia britânica nos arredores de Londres.

Seu objetivo é evitar uma guerra comercial entre Londres e Bruxelas um ano após a efetivação do divórcio, preservando ao mesmo tempo a frágil paz na Irlanda do Norte.

Os britânicos querem renegociar profundamente o protocolo para a região, que ambas as partes assinaram no âmbito da saída da UE. Mas Bruxelas se recusa e concorda apenas com ajustes.

Em vigor desde o início de 2021, o acordo mantém a Irlanda do Norte no mercado único europeu e na união aduaneira, afim de evitar uma fronteira com a vizinha República da Irlanda, país-membro da UE.

O objetivo é preservar a frágil paz que, em 1998, pôs fim a três décadas de conflito sangrento entre republicanos católicos e unionistas protestantes, deixando cerca de 3.500 mortos.

Mas, em troca, controles e obstáculos são impostos às mercadorias que chegam à região britânica do resto do Reino Unido, enfurecendo os unionistas norte-irlandeses, que são muito apegados à coroa britânica.

"Nós realmente acreditamos que um acordo pode ser alcançado, mas a UE deve ser pragmática", disse um porta-voz do primeiro-ministro Boris Johnson na quinta-feira.

Em um comunicado antes da reunião, Truss pediu "uma abordagem pragmática da UE" e garantiu que proporá "soluções práticas e razoáveis".

Mas em um artigo publicado pelo jornal Telegraph, estabeleceu suas linhas vermelhas: nenhum controle de mercadorias entre a Grã-Bretanha e a Irlanda do Norte e a exclusão do Tribunal de Justiça da UE na arbitragem do protocolo.

E alertou que, se as negociações falharem, Londres não hesitará em ativar uma cláusula que permite que certas disposições sejam suspensas unilateralmente, o que pode levar a uma séria retaliação comercial por parte da UE.

A Comissão Europeia insistiu, através do seu porta-voz Daniel Ferrie, em encontrar "soluções a longo prazo" para "garantir a estabilidade (...) da população da Irlanda do Norte".

O Executivo da UE propôs em outubro uma redução significativa nos controles de uma ampla gama de bens destinados exclusivamente ao consumo na Irlanda do Norte e que não entram no mercado da UE. Londres considerou insuficiente.

mpa-acc/es/mr/ap

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos