Mercado fechado
  • BOVESPA

    98.672,26
    +591,91 (+0,60%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    47.741,50
    +1.083,62 (+2,32%)
     
  • PETROLEO CRU

    107,06
    +2,79 (+2,68%)
     
  • OURO

    1.828,10
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    21.408,39
    +391,21 (+1,86%)
     
  • CMC Crypto 200

    462,12
    +8,22 (+1,81%)
     
  • S&P500

    3.911,74
    +116,01 (+3,06%)
     
  • DOW JONES

    31.500,68
    +823,32 (+2,68%)
     
  • FTSE

    7.208,81
    +188,36 (+2,68%)
     
  • HANG SENG

    21.719,06
    +445,19 (+2,09%)
     
  • NIKKEI

    26.491,97
    +320,72 (+1,23%)
     
  • NASDAQ

    12.132,75
    +395,25 (+3,37%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,5524
    +0,0407 (+0,74%)
     

Reino Unido reduz para 4 dias a semana de trabalho de 70 empresas

Semana de trabalho de 4 dias começa a ser testada em alguns países
Semana de trabalho de 4 dias começa a ser testada em alguns países

A redução dos dias da jornada de trabalho começa a ser realizada esta semana no Reino Unido com 3300 trabalhadores de 70 empresas. O teste britânico é considerado o maior do mundo a experienciar a flexibilidade da carga horária trabalhista para 4 dias semanais em programa piloto com duração de seis meses.

A redução de carga horária mantém a integridade salarial e busca checar a viabilidade da proposta quanto à produtividade dos funcionários. A implementação britânica não é pioneira, mas resultado de reivindicações que têm acontecido principalmente na Europa e que ganharam força após o regime home-office e as flexibilizações ocasionados pela pandemia da Covid-19.

Entre 2015 e 2019, 2500 servidores públicos já haviam participado de testes semelhantes na Islândia que reduziu 40 horas semanais para 35. A experiência foi considerada um sucesso por pesquisadores e sindicatos, ao contrário da Suécia que experimentou reduzir a jornada de oito para seis horas diárias em 2015 e teve contrários ao teste que consideraram cara essa efetivação em larga escala. Já no Japão, em 2019, a Microsoft começou a oferecer fins de semana de três dias por um mês aos funcionários e viu os índices de produtividade aumentarem 40%.

Depois da pandemia, mais países têm pensado em implementar testes que condensem os dias de trabalho e colaborem com a melhor qualidade de vida dos funcionários. Bélgica, Portugal, Espanha e Nova Zelândia são outros lugares quem tem debatido testar projetos-piloto que trazem uma visão de um mercado de trabalho que revê a gestão de tempo e propõe mais tempo livre a vida pessoal dos funcionários.

Na Bélgica, desde fevereiro os funcionários podem decidir se trabalham quatro ou cinco dias na semana e na Nova Zelândia 81 funcionários da Unilever estão fazendo a testagem da redução de dias trabalhados por um ano. Portugal e Espanha também têm propostas lançadas que serão debatidas nos próximos dias para que se teste a viabilidade da jornada flexível que tem se tornado um dos assuntos do momento.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos