Mercado abrirá em 3 h 51 min
  • BOVESPA

    128.057,22
    -1.202,27 (-0,93%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.202,80
    -376,30 (-0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,50
    -0,54 (-0,76%)
     
  • OURO

    1.791,40
    +16,60 (+0,94%)
     
  • BTC-USD

    37.756,37
    -1.572,85 (-4,00%)
     
  • CMC Crypto 200

    938,44
    -31,43 (-3,24%)
     
  • S&P500

    4.221,86
    -1,84 (-0,04%)
     
  • DOW JONES

    33.823,45
    -210,22 (-0,62%)
     
  • FTSE

    7.118,58
    -34,85 (-0,49%)
     
  • HANG SENG

    28.801,27
    +242,68 (+0,85%)
     
  • NIKKEI

    28.964,08
    -54,25 (-0,19%)
     
  • NASDAQ

    14.193,50
    +28,00 (+0,20%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9754
    +0,0129 (+0,22%)
     

Reino Unido recebe sinal verde para início de negociações sobre adesão a acordo comercial do Pacífico

·1 minuto de leitura

Por Daniel Leussink e William James

TÓQUIO/LONDRES (Reuters) - Os países membros do Acordo Abrangente e Progressivo para a Parceria Transpacífica (CPTPP, na sigla em inglês) concordaram nesta quarta-feira em permitir que o Reino Unido inicie o processo de adesão ao pacto, disse o ministro da Economia do Japão.

A decisão marca mais um passo nos esforços do Reino Unido para se afastar da Europa, construir influência global e formar novos laços comerciais com economias em crescimento mais rápido após sua saída da União Europeia no final de 2020.

O ministro da Economia do Japão, Yasutoshi Nishimura, disse a repórteres que saudou o início do processo de adesão do Reino Unido após uma reunião online de ministros dos 11 países que compõem o acordo comercial.

"A potencial adesão do Reino Unido apoiaria os interesses mútuos, valores comuns e compromisso de manter o sistema comercial baseado em regras compartilhadas pelos membros do CPTPP", disseram os 11 países membros em comunicado.

A adesão é vista pelos ministros britânicos como uma das várias maneiras de construir influência na região para ajudar a promover o livre comércio e agir como um contrapeso à China - acusada de minar o comércio e distorcer os mercados com subsídios estatais.

A ministra britânica do Comércio, Liz Truss, disse que saudou a decisão e que apresentará seus planos ao Parlamento nas próximas semanas.

(Por Daniel Leussink e William James)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos