Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.035,17
    -2.221,19 (-1,98%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.592,91
    +282,64 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,66
    -1,87 (-2,94%)
     
  • OURO

    1.733,00
    -42,40 (-2,39%)
     
  • BTC-USD

    47.413,92
    +1.075,06 (+2,32%)
     
  • CMC Crypto 200

    912,88
    -20,25 (-2,17%)
     
  • S&P500

    3.811,15
    -18,19 (-0,48%)
     
  • DOW JONES

    30.932,37
    -469,64 (-1,50%)
     
  • FTSE

    6.483,43
    -168,53 (-2,53%)
     
  • HANG SENG

    28.980,21
    -1.093,96 (-3,64%)
     
  • NIKKEI

    28.966,01
    -1.202,26 (-3,99%)
     
  • NASDAQ

    12.905,75
    +74,00 (+0,58%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7577
    +0,0188 (+0,28%)
     

Reino Unido planeja reunir G-7 com foco em estratégia para China

Alberto Nardelli
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, planeja organizar uma reunião virtual dos líderes do G-7 em 19 de fevereiro para formar uma frente no combate ao coronavírus e começar a traçar uma estratégia conjunta para a China.

Entre os diplomatas mais graduados que preparam as bases, houve também uma conversa preliminar sobre como lidar com a China e qual texto usar no comunicado final da cúpula de junho, de acordo com uma nota diplomática vista pela Bloomberg.

Durante a chamada reunião de sherpas na semana passada, o delegado dos EUA destacou a necessidade de agir com firmeza e determinação em relação ao governo de Pequim, enquanto o Canadá enfatizou a importância de não deixar a vacinação de países mais pobres nas mãos da China e da Rússia, segundo o documento.

O Reino Unido também propõe um plano de recuperação de 10 pontos, uma declaração sobre preparação para pandemias e um comunicado que promove sociedades abertas, valores democráticos e direitos humanos a ser assinado pelo grupo e os três convidados deste ano: Austrália, Coreia do Sul e Índia.

Johnson convidou os três países para o fórum deste ano enquanto tenta estabelecer a chamada coalizão D-10 de democracias para fazer frente à China. A proposta gerou tensão, pois alguns temem uma expansão do grupo pela porta dos fundos, enquanto outros estão preocupados que a coalizão possa se transformar em uma frente antiChina.

O Reino Unido assume o comando em um momento delicado ao tentar reconstruir a confiança nas instituições multilaterais que foram minadas durante o governo Trump, ao mesmo tempo em que tenta traçar seu próprio caminho pós-Brexit.

Um porta-voz do governo do Reino Unido não quis comentar.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2021 Bloomberg L.P.