Mercado abrirá em 8 h 51 min
  • BOVESPA

    101.016,96
    -242,79 (-0,24%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.245,86
    -461,86 (-1,19%)
     
  • PETROLEO CRU

    38,71
    +0,15 (+0,39%)
     
  • OURO

    1.911,40
    +5,70 (+0,30%)
     
  • BTC-USD

    13.097,78
    -11,01 (-0,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    260,98
    -2,43 (-0,92%)
     
  • S&P500

    3.400,97
    -64,42 (-1,86%)
     
  • DOW JONES

    27.685,38
    -650,19 (-2,29%)
     
  • FTSE

    5.792,01
    -68,27 (-1,16%)
     
  • HANG SENG

    24.707,63
    -211,15 (-0,85%)
     
  • NIKKEI

    23.428,70
    -65,64 (-0,28%)
     
  • NASDAQ

    11.497,75
    +5,50 (+0,05%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6464
    +0,0059 (+0,09%)
     

Reino Unido põe Londres em lista de monitoramento da covid-19

·1 minuto de leitura

Medida abre caminho para a adoção de ações de restrição da circulação de pessoas na cidade O Reino Unido adicionou nesta sexta-feira a cidade de Londres em uma lista criada para monitorar a situação da covid-19 em todo o país. A medida abre caminho para a adoção de ações de restrição da circulação de pessoas na capital britânica. A cidade, de 9 milhões de habitantes, entrou na relação após registrar 620 casos da doença nas últimas 24 horas, segundo reportagem do jornal “Financial Times”. O número é o dobro do registrado há uma semana, de acordo com dados do governo. Homem se protege do coronavírus em Londres AP Photo/Kirsty Wigglesworth O prefeito de Londres, Sadiq Khan, disse que atrasos na entrega dos resultados dos testes para covid-19 provocaram a inclusão tardia. Ele pediu que a capacidade de realizar exames seja aumentada. “Londres está em um ponto muito preocupante agora. Estamos vendo um aumento acentuado em internações hospitalares e pacientes em UTI [Unidade de Terapia Intensiva]”, disse ele. Apesar das críticas ao governo de Boris Johnson, Khan afirmou que o ressurgimento do vírus mostra que as medidas anunciadas nesta semana para retardar a disseminação da doença eram “absolutamente necessárias”. O Public Health England, que administra a lista, ainda não confirmou a inclusão de Londres, inicialmente informada pelo London Councils, uma associação do governo local. Para o órgão, é “um forte aviso” da gravidade do surto.