Mercado fechado

Reino Unido e UE mais próximos de acordo para Brexit

Alberto Nardelli e Ian Wishart
·3 minuto de leitura

(Bloomberg) -- Negociadores da União Europeia e do Reino Unido avançaram nesta semana para resolver algumas das maiores divergências que há muito tempo emperram as negociações do Brexit, o que aumenta as esperanças de que um acordo possa ser alcançado no início de novembro, segundo pessoas a par das discussões.

As duas partes começaram a trabalhar no texto de um acordo sobre igualdade de condições de concorrência e estão perto de finalizar um documento conjunto que cobre os subsídios estatais, disseram as pessoas, que não quiseram ser identificadas. O Reino Unido e a UE também estão mais perto de decidir os aspectos essenciais de como um possível acordo será aplicado, acrescentaram as pessoas.

Embora as diferenças entre os dois lados ainda sejam significativas - especialmente em termos de igualdade de condições, cumprimento e pesca -, os avanços no texto são um sinal de que estão mais perto de romper o impasse após sete meses de negociações.

Na quinta-feira, as negociações seguirão para Bruxelas, onde, se os negociadores puderem reduzir as diferenças restantes o suficiente até 3 de novembro, os próximos passos serão dados pelo primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, e pela presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, para que negociem um acordo final, disse uma das pessoas.

Sem um acordo, milhões de consumidores e empresas serão atingidos pelos custos e mudança de tarifas, cotas e controles alfandegários completos quando o Reino Unido deixar o mercado único da UE e a união aduaneira em 31 de dezembro.

Mudança de humor

Após semanas de impasse, houve uma mudança de humor e das engrenagens nos últimos dias, acrescentaram as pessoas. Com os dois lados ansiosos por chegar a um acordo, o Reino Unido e a UE trabalham intensamente para finalizar o máximo possível de capítulos de um possível acordo.

A pesca continua a ser um dos maiores obstáculos a um acordo, e ambas as partes ainda discordam sobre os direitos que barcos da UE terão em águas britânicas e a sua parte na quota. A França e outros estados costeiros, como a Bélgica, pressionam muito pelo acesso contínuo às águas entre 9 e 19 quilômetros da costa do Reino Unido - algo de que desfrutaram sob um acordo anterior ao Brexit, de acordo com uma autoridade próxima ao governo francês.

Os negociadores veem a redução dessas divergências como uma questão cada vez mais política, que exigirá a intervenção de Johnson e do presidente francês Emmanuel Macron. A UE vinculou o acesso britânico aos mercados de transporte e energia da Europa ao acesso europeu às águas do Reino Unido.

Em outros segmentos, houve progresso em direitos de bem-estar, alfândega e viagens aéreas, embora algumas divergências nessas áreas ainda não tenham sido resolvidas, disse uma das pessoas.

Se os dois lados não conseguirem reduzir as diferenças o suficiente até o início de novembro, as equipes de negociação terão que consultar seus líderes políticos em Londres e em toda a UE sobre se devem continuar as conversas ou encerrá-las, disseram as pessoas. Como o Parlamento Europeu é obrigado a ratificar qualquer acordo, o prazo final para os negociadores chegarem a um pacto seria em meados de novembro.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.