Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,51 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.685,03
    +1,48 (+0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,30
    +0,03 (+0,06%)
     
  • OURO

    1.854,50
    -1,70 (-0,09%)
     
  • BTC-USD

    33.894,61
    +447,36 (+1,34%)
     
  • CMC Crypto 200

    683,17
    +6,28 (+0,93%)
     
  • S&P500

    3.836,34
    -5,13 (-0,13%)
     
  • DOW JONES

    30.817,73
    -179,25 (-0,58%)
     
  • FTSE

    6.638,85
    -56,22 (-0,84%)
     
  • HANG SENG

    30.159,01
    +711,16 (+2,41%)
     
  • NIKKEI

    28.822,29
    +190,84 (+0,67%)
     
  • NASDAQ

    13.385,75
    +24,25 (+0,18%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6362
    -0,0158 (-0,24%)
     

Reino Unido deve ser excluído de lista branca de viagens da UE

Jonathan Stearns
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O Reino Unido deve se juntar aos Estados Unidos, Canadá e a maioria de outros países cujos residentes são visitantes indesejados na União Europeia, que considera que essas nações não controlaram suficientemente o surto de coronavírus.

Governos da UE não fizeram alterações na chamada “lista branca” de viagens nos dias que antecedem a saída do Reino Unido do mercado único europeu prevista para esta sexta-feira, segundo uma autoridade com conhecimento do assunto.

É quando termina a transição pós-Brexit e o Reino Unido passa a ser tratado pela UE como qualquer outro país fora do bloco.

A UE atualmente recomenda que os estados membros permitam que residentes de apenas oito países viajem sem restrições. Entrar na lista exige uma decisão dos governos do bloco e depende das tendências do coronavírus, que tem avançado no Reino Unido. Os oito permitidos na lista branca são Austrália, China, Japão, Nova Zelândia, Ruanda, Cingapura, Coreia do Sul e Tailândia.

Embora os estados da UE definam seus próprios requisitos de entrada, o grupo de 27 membros tem buscado uma abordagem coordenada para limitar o acesso externo, mantendo as fronteiras internas abertas. O Reino Unido, que deixou a UE em 31 de janeiro, na prática foi tratado como membro durante o período de transição do Brexit.

A UE recomendou em 1º de julho que os estados membros permitissem visitantes estrangeiros de 15 países como parte de um movimento para afrouxar as restrições desencadeadas pelo coronavírus e impostas em meados de março para viagens não essenciais ao bloco.

Desde então, Sérvia, Montenegro, Argélia, Marrocos, Canadá, Tunísia, Geórgia e Uruguai foram retirados da lista, enquanto Cingapura foi incluída. A UE normalmente revisa a lista a cada duas semanas. A alteração mais recente foi a remoção do Uruguai em meados de dezembro.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.