Mercado abrirá em 5 h 56 min
  • BOVESPA

    111.716,00
    -2.354,00 (-2,06%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.395,94
    -928,96 (-2,01%)
     
  • PETROLEO CRU

    77,41
    -1,33 (-1,69%)
     
  • OURO

    1.646,30
    -9,30 (-0,56%)
     
  • BTC-USD

    18.725,82
    -298,87 (-1,57%)
     
  • CMC Crypto 200

    428,77
    -15,76 (-3,55%)
     
  • S&P500

    3.693,23
    -64,76 (-1,72%)
     
  • DOW JONES

    29.590,41
    -486,29 (-1,62%)
     
  • FTSE

    7.018,60
    0,00 (0,00%)
     
  • HANG SENG

    17.758,02
    -175,25 (-0,98%)
     
  • NIKKEI

    26.431,55
    -722,28 (-2,66%)
     
  • NASDAQ

    11.280,00
    -96,75 (-0,85%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,0738
    -0,0238 (-0,47%)
     

Reino Unido calcula em US$ 67 bilhões o custo da ajuda energética por seis meses

O ministro das Finanças do Reino Unido, Kwasi Kwarteng, afirmou nesta sexta-feira que custará 60 bilhões de libras (67 bilhões de dólares) para o orçamento governamental o período de seis meses de ajudas energéticas anunciadas para os cidadãos e as empresas.

"Com base nos preços recentes (da energia nos mercados), o custo total do pacote energético para os seis meses a partir de outubro deve ser de 60 bilhões de libras, em particular para congelar as contas das residências", anunciou Kwarteng ao apresentar o orçamento no Parlamento britânico.

Como parte de seu plano para estimular a economia britânica, o ministro anunciou o fim de um limite aos bônus para os executivos de bancos, de 200% do salário anual até o momento, e a redução do percentual máximo do imposto sobre os lucros.

"Precisamos que os bancos internacionais criem empregos aqui (...) e paguem impostos aqui em Londres, e não em Paris, Frankfurt ou Nova York", afirmou, ao encerrar uma regra herdada da União europeia.

Pouco depois de assumir o cargo no início de setembro, a nova primeira-ministra britânica, Liz Truss, anunciou um pacote de medidas para enfrentar a crise energética, incluindo o congelamento de preços durante dois anos para as residências.

A chefe de Governo e o novo ministro das Finanças garantiram que, apesar do custo, esta política trará "benefícios substanciais" para uma economia britânica à beira da recessão, com uma inflação próxima de 10%, o maior nível em 40 anos.

ode/ved/bt/mar/meb/fp