Mercado fechado

Reino Unido busca banir produtos ligados ao desmatamento ilegal

Jess Shankleman
·2 minuto de leitura

(Bloomberg) -- O Reino Unido deu um passo para impedir que supermercados e restaurantes vendam produtos associados ao desmatamento ilegal, parte da iniciativa de colocar políticas de proteção ao meio ambiente no foco da agenda do primeiro-ministro Boris Johnson.

O projeto de lei do meio ambiente em trâmite no Parlamento torna ilegal a venda por empresas que operam no Reino Unido de carne bovina, soja e outras commodities importantes originadas em terras protegidas pela legislação local. As medidas visam ajudar a proteger florestas em regiões como a bacia do rio Amazonas.

“Nossa nova lei de diligência prévia é peça de um pacote muito maior de medidas que estamos implementando para combater o desmatamento”, disse o ministro do Meio Ambiente Internacional, Lord Zac Goldsmith, em comunicado divulgado na quarta-feira em Londres.

A decisão do Departamento de Meio Ambiente, Alimentação e Assuntos Rurais (Defra, na sigla em inglês) pareceu não atender o apelo de supermercados e organizações ambientais para que as regras fossem ainda mais rígidas do que as propostas.

McDonald’s, Tesco e Nestlé estavam entre 21 empresas que no mês passado pediram ao Defra para ampliar os planos além das leis locais. As empresas disseram que a lei precisa ser aplicada a todo o desmatamento, não apenas onde foi definido como ilegal em países individuais.

Respondendo às notícias, Jason Tarry, responsável pela Tesco no Reino Unido e na Irlanda, disse que as regras são “um primeiro passo importante para a criação de condições equitativas”.

Separadamente, os ministros também foram alertados na quarta-feira que estão longe de cumprir as metas ambientais de longo prazo, estabelecidas há nove anos.

O Escritório Nacional de Auditoria, órgão fiscalizador de gastos do governo, disse que não está claro como o Reino Unido cumprirá a meta de ser a primeira geração a deixar o meio ambiente em estado melhor do que o herdado.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.