Mercado abrirá em 5 h 49 min
  • BOVESPA

    120.705,91
    +995,88 (+0,83%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.829,31
    +80,90 (+0,17%)
     
  • PETROLEO CRU

    63,68
    -0,14 (-0,22%)
     
  • OURO

    1.834,80
    +10,80 (+0,59%)
     
  • BTC-USD

    49.476,08
    -1.673,29 (-3,27%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.367,87
    -20,04 (-1,44%)
     
  • S&P500

    4.112,50
    +49,46 (+1,22%)
     
  • DOW JONES

    34.021,45
    +433,79 (+1,29%)
     
  • FTSE

    6.963,33
    0,00 (0,00%)
     
  • HANG SENG

    28.045,97
    +327,30 (+1,18%)
     
  • NIKKEI

    28.084,47
    +636,46 (+2,32%)
     
  • NASDAQ

    13.207,75
    +107,50 (+0,82%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4254
    +0,0129 (+0,20%)
     

Reino Unido autoriza megafusão de £ 31 bilhões entre Virgin Media e O2

·2 minuto de leitura
Logotipos das operadoras de telecomunicações Virgin Media e O2

A agência reguladora da concorrência no Reino Unido anunciou nesta quarta-feira que aprovou a fusão por 31 bilhões de libras (43 bilhões de dólares) entre as operadoras de telecomunicações Virgin Media e O2, filial britânica do grupo espanhol Telefónica.

 A Autoridade de Concorrência e Mercados (CMA), que em dezembro abriu uma investigação sobre a operação, apresentou suas conclusões provisórias em um comunicado.

Leia também:

 O organismo já havia descartado consequências negativas para os clientes particulares, pois os serviços oferecidos são diferentes e o setor de telefonia móvel da Virgin é muito pequeno para concorrer com a O2.

 Por este motivo, a investigação se concentrou nos serviços de atacado, uma vez que os dois grupos oferecem suas redes a várias operadoras.

 Mas a CMA considerou que há poucas possibilidades de reduzir a concorrência no setor, devido à presença de outras empresas, como a gigante britânica BT.

 A investigação "mostrou que a operação não deve representar aumentos de preços ou redução da qualidade do serviço na telefonia móvel, o que significa que os clientes devem seguir beneficiados por uma forte concorrência", explicou Martin Coleman, coordenador da investigação.

 A O2, filial do grupo espanhol de telecomunicações Telefónica, e a Virgin Media, que pertence ao grupo americano Liberty Global, apresentaram a proposta de fusão em maio de 2020.

 Alguns analistas temiam que as empresas formassem um grupo muito grande em comparação à maior operadora de telecomunicações do país, a BT, e sua rival direta, a Vodafone.

 A operação avalia a O2, gigante da telefonia móvel no Reino Unido, em 12,7 bilhões de libras (17,5 bilhões de dólares) e a Virgin Media, que tem como ponto forte a internet de banda larga, em £ 18,7 bilhões (US$ 25,8 bilhões), com sinergias que devem alcançar 6,2 bilhões de libras.

 A O2 é uma das poucas operadoras com móvel própria no Reino Unido. A empresa tem 34 milhões de clientes, incluindo alguns milhões que pertencem às operadoras virtuais que alugam sua rede, como a Tesco Mobile.

 A Virgin Media, comprada em 2013 pela Liberty Global, que pertence ao bilionário John Malone, tem seis milhões de clientes de internet e 3,3 milhões de clientes de telefonia móvel.

 A CMA investigou o tem depois de receber em novembro autorização da Comissão Europeia para examinar o projeto.

 A agência britânica havia alegado que a megafusão teria um impacto principalmente no Reino Unido e que as conclusões da investigação seriam anunciadas após 1 de janeiro, depois do período de transição do Brexit.