Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +997,93 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,23 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    81,69
    +1,71 (+2,14%)
     
  • OURO

    1.813,00
    +3,40 (+0,19%)
     
  • BTC-USD

    17.212,59
    +259,05 (+1,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    407,42
    +6,00 (+1,49%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,88 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,05 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.814,52
    +36,62 (+0,13%)
     
  • NASDAQ

    11.996,75
    -13,50 (-0,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4984
    +0,0044 (+0,08%)
     

Reguladores dos EUA tiveram bom acesso a auditorias de empresas chinesas, dizem fontes

Por Xie Yu e Chris Prentice e Julie Zhu

HONG KONG/WASHINGTON (Reuters) - Reguladores dos Estados Unidos obtiveram um "bom acesso" em sua revisão do trabalho de auditoria realizado em empresas chinesas listadas em Nova York durante uma inspeção de sete semanas, disseram quatro fontes com conhecimento do assunto - um passo importante na resolução de uma disputa bilateral de longa data.

As fontes, no entanto, alertaram que a revisão mais ampla do trabalho feito pelos auditores de Hong Kong e da China está em andamento e que nenhuma decisão foi tomada sobre se a disputa pode ser encerrada.

Os inspetores do Conselho de Supervisão de Contabilidade de Empresas Públicas dos Estados Unidos (PCAOB) que fizeram a inspeção em Hong Kong tiveram todas as informações pedidas, disse uma fonte. Eles também foram autorizados a imprimir alguns documentos para revisar informações mais facilmente, apesar de uma hesitação inicial das autoridades chinesas, disse a fonte.

As autoridades chinesas há muito relutam em permitir que reguladores estrangeiros inspecionem firmas de contabilidade locais, alegando preocupações com a segurança nacional.

Resolver a disputa representa um teste fundamental de cooperação entre Washington e Pequim após anos de tensão bilateral elevada.

As fontes não foram autorizadas a falar com a mídia e não quiseram ser identificadas. O PCAOB não quis comentar.

A China Securities Regulatory Commission, que lidera as discussões com o PCAOB, e o Ministério das Finanças não responderam aos pedidos de comentários.

A gigante do comércio eletrônico Alibaba e a empresa de restaurantes Yum China estavam entre as empresas cujos documentos de auditoria estavam programados para revisão durante a inspeção, informou a Reuters em agosto.

(Por Xie Yu, Julie Zhu e Chris Prentice)