Mercado abrirá em 3 h 16 min
  • BOVESPA

    128.405,35
    +348,35 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.319,57
    +116,77 (+0,23%)
     
  • PETROLEO CRU

    72,04
    +0,40 (+0,56%)
     
  • OURO

    1.782,50
    +13,50 (+0,76%)
     
  • BTC-USD

    33.192,12
    -2.152,59 (-6,09%)
     
  • CMC Crypto 200

    817,07
    -122,88 (-13,07%)
     
  • S&P500

    4.166,45
    -55,41 (-1,31%)
     
  • DOW JONES

    33.290,08
    -533,32 (-1,58%)
     
  • FTSE

    7.039,22
    +21,75 (+0,31%)
     
  • HANG SENG

    28.489,00
    -312,27 (-1,08%)
     
  • NIKKEI

    28.010,93
    -953,15 (-3,29%)
     
  • NASDAQ

    14.114,75
    +79,75 (+0,57%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,0134
    -0,0227 (-0,38%)
     

Reguladores brasileiros pedem que WhatsApp revise mudanças em seus termos de uso

·2 minuto de leitura

Em uma nota conjunta emitida nesta sexta-feira (7), o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), a Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD), o Ministério Público Federal (MPF) e a Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon) pediram que o WhatsApp adie a vigência de suas novas políticas de privacidade. Com efetividade prevista para começar no dia 15 de maio, os novos termos de uso podem barrar o acesso ao comunicador daqueles que decidirem não concordar com eles.

O documento enviado pelos reguladores ao Facebook, dono do WhatsApp, recomenda que a empresa não restrinja o acesso dos usuários que não aderirem aos termos. Da mesma forma, os órgãos recomendam que o acesso ao conteúdo das mensagens e arquivos enviados e recebidos seja mantido após a data informada pela empresa.

Segundo análises conduzidos pelo Cade, MFP, ANPD e Senacon, as novas políticas de privacidade do comunicador podem representar violações aos direitos de dados pessoais. Além disso, eles expressam preocupação sobre a maneira como os termos de uso podem afetar a concorrência do aplicativo.

WhatsApp promete não bloquear o acesso

Em seu site oficial, o WhatsApp afirma que, mesmo após a chegada do prazo informado, não vai bloquear o acesso dos usuários que não concordarem com os novos termos de serviço. No entanto, a partir do dia 15, o app vai começar a enviar avisos sobre o novo contrato de forma mais recorrente — eles poderão inclusive sobrepor listas de conversa e impedir a realização de novas conversas ou o início de chamadas de voz e vídeo.

À Folha de S.Paulo, a empresa afirmou que passou os últimos meses fornecendo informações sobre a mudança e que a maioria dos usuários concordou com as alterações. Embora o serviço já compartilhe dados com o Facebook desde 2016, agora o fornecimento de informações será obrigatório — algo que a companhia afirma não comprometer sua criptografia de ponta a ponta ou a privacidade dos usuários.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos