Mercado fechado
  • BOVESPA

    108.376,35
    -737,80 (-0,68%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.006,11
    +197,55 (+0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    78,05
    +1,34 (+1,75%)
     
  • OURO

    1.637,20
    +3,80 (+0,23%)
     
  • BTC-USD

    19.050,37
    -79,39 (-0,42%)
     
  • CMC Crypto 200

    436,57
    -22,57 (-4,92%)
     
  • S&P500

    3.647,29
    -7,75 (-0,21%)
     
  • DOW JONES

    29.134,99
    -125,82 (-0,43%)
     
  • FTSE

    6.984,59
    -36,36 (-0,52%)
     
  • HANG SENG

    17.860,31
    +5,17 (+0,03%)
     
  • NIKKEI

    26.571,87
    +140,32 (+0,53%)
     
  • NASDAQ

    11.345,25
    +29,00 (+0,26%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1619
    -0,0175 (-0,34%)
     

Regulador de mercado da China diz que implementará acordo de auditoria com EUA

PEQUIM/XANGAI (Reuters) - A China implementará o acordo de auditoria fechado com os Estados Unidos e fortalecerá a comunicação com investidores estrangeiros, disse um alto funcionário chinês do regulador de valores mobiliários nesta sexta-feira.

Fang Xinghai, vice-presidente da Comissão Reguladora de Valores Mobiliários da China (CSRC), também afirmou em um fórum que a China expandirá o acesso mútuo entre o continente e Hong Kong e apoiará o papel da cidade como um local de listagem global de ações.

O acordo entre a China e os EUA, anunciado na sexta-feira da semana passada, permitirá que os reguladores norte-americanos examinem as empresas de auditoria na China continental e em Hong Kong, potencialmente encerrando uma longa disputa que ameaçava banir mais de 200 companhias chinesas das bolsas dos EUA.

Anteriormente, a China estava relutante em conceder esse acesso, citando preocupações de segurança nacional.

"Iremos implementar bem o acordo cooperativo sino-americano sobre supervisão de auditoria transfronteiriça e continuaremos a fortalecer a comunicação com investidores institucionais estrangeiros", disse Fang.

De acordo com a lei dos EUA, as empresas chinesas que não estiverem em conformidade com as regras de auditoria norte-americanas serão proibidas de negociar nas bolsas do país até 2024.

Alibaba e JD.com estavam entre as empresas chinesas selecionadas pelos reguladores dos EUA para inspeção de auditoria a partir deste mês no âmbito do acordo, disseram fontes à Reuters.

Enquanto isso, especialistas jurídicos e estudiosos da China alertam que os dois lados ainda podem entrar em discordância sobre a interpretação do acordo e sua implementação.

"Meu instinto é que agora que a China indicou que quer evitar uma deslistagem em massa, as coisas vão dar certo no final", disse Drew Bernstein, co-presidente da Marcum Asia CPAs LLP, acrescentando que espera "alguns solavancos" no caminho.