Mercado fechado
  • BOVESPA

    115.202,23
    +2.512,23 (+2,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    46.342,54
    +338,34 (+0,74%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,28
    +0,19 (+0,29%)
     
  • OURO

    1.698,20
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    50.084,44
    +1.595,43 (+3,29%)
     
  • CMC Crypto 200

    982,93
    +39,75 (+4,21%)
     
  • S&P500

    3.841,94
    +73,47 (+1,95%)
     
  • DOW JONES

    31.496,30
    +572,20 (+1,85%)
     
  • FTSE

    6.630,52
    -20,36 (-0,31%)
     
  • HANG SENG

    29.098,29
    -138,51 (-0,47%)
     
  • NIKKEI

    28.864,32
    -65,78 (-0,23%)
     
  • NASDAQ

    12.652,50
    -11,25 (-0,09%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,7780
    -0,0079 (-0,12%)
     

Regulador da Alemanha amplia investigação sobre Facebook e Oculus

·1 minuto de leitura
.

BERLIM (Reuters) - O regulador antitruste da Alemanha disse nesta quinta-feira que está ampliando o escopo de sua investigação contra o Facebook, relacionada à ligação entre seus produtos da marca de realidade virtual Oculus e a plataforma de mídia social.

A mudança ocorre após uma legislação entrar em vigor no início do mês estabelecendo novas regras para "empreendimentos de importância fundamental para a concorrência entre os mercados", disse a Agência Federal de Cartéis em comunicado.

"Um ecossistema que se estende por vários mercados - posição quase incontestável de poder econômico - é particularmente característico", disse o chefe do órgão, Andreas Mundt.

"Em vista da forte presença do Facebook e suas unidades WhatsApp e Instagram, tal posição pode ser considerada existente. Este é o primeiro caso em que colocamos as novas disposições em uso", acrescentou.

Embora a supervisão antitruste na União Europeia esteja principalmente nas mãos de seu executivo com sede em Bruxelas, Mundt adotou uma abordagem ativista em relação ao Facebook e o que considera um abuso de seu domínio de mercado.

Mundt emitiu uma ordem em fevereiro de 2019 para limitar a coleta de dados de usuários pelo Facebook, desencadeando uma batalha judicial prolongada que continua em andamento.

(Por Douglas Busvine)