Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.927,79
    +1.397,79 (+1,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    53.744,92
    -185,48 (-0,34%)
     
  • PETROLEO CRU

    84,27
    +2,15 (+2,62%)
     
  • OURO

    1.817,30
    -4,10 (-0,23%)
     
  • BTC-USD

    42.884,95
    -563,10 (-1,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.037,76
    +12,03 (+1,17%)
     
  • S&P500

    4.662,85
    +3,82 (+0,08%)
     
  • DOW JONES

    35.911,81
    -201,79 (-0,56%)
     
  • FTSE

    7.542,95
    -20,90 (-0,28%)
     
  • HANG SENG

    24.383,32
    -46,48 (-0,19%)
     
  • NIKKEI

    28.124,28
    -364,82 (-1,28%)
     
  • NASDAQ

    15.616,75
    +126,50 (+0,82%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3174
    -0,0154 (-0,24%)
     

Reforço da vacina pode ser aplicado após 4 meses da última dose no Brasil

·2 min de leitura

O reforço da vacina contra a covid-19 foi reduzido no Brasil para quatro meses, segundo informa o Ministério da Saúde. Anteriormente, o período de espera pela dose extra contra o coronavírus SARS-CoV-2 era de cinco meses — a exceção era o estado de São Paulo, que já adotava o novo padrão.

“Para ampliar a proteção contra a variante Ômicron [B.1.1.529] vamos reduzir o intervalo de aplicação da terceira dose de cinco para quatro meses. A dose de reforço é fundamental para frear o avanço de novas variantes e reduzir hospitalizações e óbitos, em especial em grupos de risco”, escreveu o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, nas redes sociais.

De acordo com Queiroga, a portaria com essa alteração será publicada nesta segunda-feira (20), oficializando a redução do intervalo para o reforço contra a covid-19. “Informem-se sobre o calendário vacinal de seu município e veja se já chegou a sua vez”, completou o ministro.

Brasil reduz intervalo da dose de reforço da vacina para quatro meses (Imagem: Reprodução/Photocreo/Envato)
Brasil reduz intervalo da dose de reforço da vacina para quatro meses (Imagem: Reprodução/Photocreo/Envato)

Dose do reforço no Brasil

Segundo a Saúde, a vacina da Pfizer deve ser usada, de forma prioritária, como dose de reforço em pessoas vacinadas com os imunizantes CoronaVac, AstraZeneca/Oxford e Pfizer. "A opção por essa vacina levou em consideração o aumento da resposta imunológica no esquema heterólogo. De maneira alternativa, os imunobiológicos da Janssen e AstraZeneca também poderão ser utilizados na dose de reforço", explica a pasta.

Vale lembrar que as pessoas que receberam a vacina da Janssen poderão receber o reforço após dois meses da dose única. A recomendação é que o limite máximo de tempo seja de seis meses. Nesses casos, a indicação é da vacinação homóloga, ou seja, com a mesma dose.

Quanto ao reforço, "mulheres que tomaram a Janssen previamente e, no momento atual, estão gestantes ou puérperas, deverão utilizar como dose de reforço o Imunizante Pfizer", destaca o Ministério da Saúde, em nota.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos