Mercado fechado
  • BOVESPA

    106.722,98
    +303,45 (+0,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.735,12
    -471,47 (-0,90%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,14
    -2,51 (-2,97%)
     
  • OURO

    1.796,20
    +2,80 (+0,16%)
     
  • BTC-USD

    58.448,95
    -3.675,98 (-5,92%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.402,32
    -72,01 (-4,88%)
     
  • S&P500

    4.564,48
    -10,31 (-0,23%)
     
  • DOW JONES

    35.579,25
    -177,63 (-0,50%)
     
  • FTSE

    7.253,27
    -24,35 (-0,33%)
     
  • HANG SENG

    25.628,74
    -409,53 (-1,57%)
     
  • NIKKEI

    29.098,24
    -7,77 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    15.624,25
    +79,25 (+0,51%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4605
    +0,0064 (+0,10%)
     

Reforço da Pfizer aumentou em 20 vezes número de anticorpos em vacinados com Coronavac (estudo)

·2 minuto de leitura
(Agosto) Mulher recebe dose da Pfizer em Montevidéu (AFP/Eitan ABRAMOVICH)

O reforço com a vacina da Pfizer aumentou em até 20 vezes o o nível de anticorpos em pessoas imunizadas com o esquema completo da Coronavac, apontam resultados preliminares de um estudo feito no Uruguai, onde 24% da população já recebeu três doses contra a Covid-19.

Desde o começo de março, cientistas do Instituto Pasteur (IP) de Montevidéu e da Universidade da República (Udelar) realizam um projeto de pesquisa para estudar a evolução dos níveis de anticorpos específicos contra o SarsCoV2 em relação às vacinas e doses administradas. O estudo, que envolve mais de 200 voluntários, irá durar dois anos e prevê coletas de sangue periódicas dos participantes.

Em um primeiro subgrupo, 57 pessoas tiveram o sangue colhido em quatro ocasiões: antes de serem vacinadas, 18 dias depois, 80 dias em média após a segunda dose da Coronavac, e 18 dias em média após o reforço, da Pfizer.

Na primeira amostragem, nenhum dos participantes apresentou anticorpos específicos contra o SarsCoV2, o que era de se esperar, pois nenhum deles havia contraído o vírus. Na segunda, 100% apresentaram anticorpos antivirais específicos, em níveis variados.

Após a terceira coleta, uma diminuição geral de anticorpos foi observada em relação aos níveis detectados na segunda amostragem. Por fim, após a dose de reforço, verificou-se que todos os participantes tiveram um aumento no nível de anticorpos em média 20 vezes maior do que o observado na segunda coleta.

“São resultados preliminares, em uma população particular”, ressaltou nesta sexta-feira o pesquisador do IP Sergio Bianchi, em entrevista coletiva. Os cientistas continuarão monitorando para saber por quanto tempo os níveis de anticorpos antivirais irão se manter após a vacinação.

O Uruguai tem 3,5 milhões de habitantes, e 72% da população já foi vacinada com o esquema completo da Coronavac, Pfizer ou Astrazeneca, enquanto 24% já receberam a dose de reforço.

gv/mr/lb

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos