Mercado abrirá em 7 h 4 min
  • BOVESPA

    107.937,11
    -1.004,57 (-0,92%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.890,59
    -708,79 (-1,37%)
     
  • PETROLEO CRU

    83,64
    +0,33 (+0,40%)
     
  • OURO

    1.842,50
    +0,80 (+0,04%)
     
  • BTC-USD

    36.087,52
    +109,62 (+0,30%)
     
  • CMC Crypto 200

    821,53
    +10,93 (+1,35%)
     
  • S&P500

    4.410,13
    +12,19 (+0,28%)
     
  • DOW JONES

    34.364,50
    +99,13 (+0,29%)
     
  • FTSE

    7.297,15
    -196,98 (-2,63%)
     
  • HANG SENG

    24.656,46
    0,00 (0,00%)
     
  • NIKKEI

    27.113,13
    -475,24 (-1,72%)
     
  • NASDAQ

    14.318,50
    -182,50 (-1,26%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2127
    -0,0160 (-0,26%)
     

Reforço da J&J é 85% eficaz contra formas graves da covid por ômicron, diz estudo

·2 min de leitura
Frasco da vacina contra covid-19 da Johnson & Johnson, em foto tirada em dezembro na Califórnia, Estados Unidos (AFP/Frederic J. BROWN) (Frederic J. BROWN)

Uma dose de reforço da vacina anticovid da Johnson & Johnson (J&J), proporciona eficácia de 85% na prevenção de casos graves de covid-19 causados pela variante ômicron, de acordo com um estudo realizado na África do Sul, onde essa cepa é dominante.

“A eficácia da vacina contra hospitalizações aumenta após a injeção da dose de reforço”, chegando a 85% no primeiro e segundo meses após a aplicação, apontou o estudo publicado nesta quinta-feira (30) no site de pré-publicação de artigos científicos medRxiv.

O estudo, que ainda não foi revisado por pares, foi conduzido pelo Conselho de Pesquisa Médica Sul-Africano (SAMRC) em profissionais de saúde de 15 de novembro a 20 de dezembro.

Cerca de meio milhão de trabalhadores da saúde sul-africanos haviam recebido anteriormente uma dose da vacina da J&J em testes clínicos, e alguns deles receberam uma dose de reforço entre seis e nove meses após a primeira.

A taxa de eficácia da dose de reforço contra a ômicron foi determinada a partir da comparação entre um grupo de 69 mil profissionais de saúde que a receberam e indivíduos não vacinados nas nove províncias do país.

A proteção contra hospitalização aumentou com o tempo, passando de 63% entre zero e treze dias após a injeção de reforço para 85% entre um e dois meses depois.

Anteriormente este mês, outro estudo feito na África do Sul mostrou que a vacina do laboratório americano Pfizer protegia em 70% contra casos graves da doença causados pela ômicron, mas com duas doses. Porém, não foram publicados resultados de eficácia do imunizante da Pfizer com três doses.

Por outro lado, a Johnson & Johnson relatou os resultados de outro estudo, realizado com várias dezenas de pessoas que foram vacinadas com a Pfizer, para comparar o efeito de uma dose de reforço da J&J com uma terceira dose de Pfizer.

Duas semanas após a terceira aplicação, o reforço da Pfizer produziu mais anticorpos contra a ômicron do que o da J&J.

No entanto, depois de quatro semanas, os anticorpos da dose de reforço da Pfizer estavam diminuindo e se multiplicavam apenas por 17, enquanto os da J&J continuaram aumentando, até se multiplicarem por 41.

cld-la/ube/led/jvb/eg/ic/mvv

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos