Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.923,93
    +998,33 (+0,90%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.234,37
    -223,18 (-0,43%)
     
  • PETROLEO CRU

    80,34
    -0,88 (-1,08%)
     
  • OURO

    1.811,40
    -3,80 (-0,21%)
     
  • BTC-USD

    17.028,98
    +90,06 (+0,53%)
     
  • CMC Crypto 200

    404,33
    +2,91 (+0,72%)
     
  • S&P500

    4.071,70
    -4,87 (-0,12%)
     
  • DOW JONES

    34.429,88
    +34,87 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.556,23
    -2,26 (-0,03%)
     
  • HANG SENG

    18.675,35
    -61,09 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    27.777,90
    -448,18 (-1,59%)
     
  • NASDAQ

    11.979,00
    -83,75 (-0,69%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4940
    +0,0286 (+0,52%)
     

Refinarias da China elevam produção de diesel para lucrar com margem robusta de exportação

Refinaria de petróleo em Dongying, na província de Shandong, China

Por Chen Aizhu e Trixie Sher Li Yap

CINGAPURA (Reuters) - As exportações de produtos petrolíferos refinados pela China devem atingir em novembro o maior nível desde abril de 2020, à medida que as refinarias aumentam a produção para máximas de vários meses para aumentar a oferta e o lucro de diesel, compensando o impacto da demanda doméstica mais lenta devido a restrições da Covid-19.

Os dois maiores países para refino no mundo --Estados Unidos e China-- estão processando mais petróleo para atender ao maior uso de diesel globalmente neste inverno, conforme os países usam mais produtos de petróleo para aquecimento em vez do gás natural, que está mais caro.

O aumento da produção também pode arrefecer os preços de outros derivados de petróleo, especialmente a gasolina, e diminuir as margens gerais de refino.

A produção de petróleo bruto da China pode aumentar em até 500.000 barris por dia (bpd), ou 4% este mês em relação a outubro, à medida que duas novas refinarias --PetroChina Guangdong Petrochemical e empresa privada Shenghong Petrochemical-- se preparam para iniciar as operações, disseram à Reuters três fontes da indústria com sede em Pequim.

Metade desse aumento, no entanto, ainda virá da maior refinaria da Ásia, a Sinopec, disse uma das fontes. A refinaria tem aumentado sua produção para produzir maiores volumes de diesel e ampliar as exportações de combustíveis.

As principais plantas costeiras da Sinopec devem aumentar moderadamente a produção ou estender as altas taxas de operação a partir de outubro, com a produção voltada para o diesel em detrimento da gasolina, disseram fontes da empresa à Reuters.

"A demanda por gasolina não está boa, mas os estoques de diesel estão escassos. Então, o mandato da matriz é aumentar a produção de diesel para abastecer o mercado interno e também aumentar as exportações", disse uma das fontes da Sinopec.

Um porta-voz da Sinopec se recusou a comentar.

Aumentando ainda mais a oferta, a maior refinaria privada da China, a Zhejiang Petroleum and Chemical Co (ZPC), está aumentando a produção de diesel por meio de um corte da produção petroquímica.

EXPORTAÇÕES

Com o aumento da produção, as exportações de diesel, gasolina e combustível de aviação podem chegar a 6 milhões de toneladas em novembro, a maior desde os primeiros dias da Covid-19 em abril de 2020, segundo estimativas de analistas e fontes do setor na China.

As exportações de diesel podem ficar entre 1,8 milhão e 2,2 milhões de toneladas no mês, o nível mais alto desde junho de 2021, segundo estimativas da Wood Mackenzie, JLC e Refinitiv, já que as refinarias são atraídas pelo gasóleo, ou diesel, cujos lucros de refino que mais que triplicaram na Ásia neste ano.

Os embarques chineses são destinados principalmente ao Sudeste Asiático em outubro e novembro, mostraram dados da Refinitiv e Kpler, já que a janela de arbitragem --que determina se uma mercadoria pode ser enviada de uma região geográfica para outra com lucro-- para o Ocidente está fechada.

(Por Chen Aizhu e Trixie Yap)