Mercado fechado
  • BOVESPA

    107.634,10
    -1.434,45 (-1,32%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.090,29
    +364,33 (+0,72%)
     
  • PETROLEO CRU

    71,63
    -0,38 (-0,53%)
     
  • OURO

    1.800,20
    +2,20 (+0,12%)
     
  • BTC-USD

    17.224,61
    +420,68 (+2,50%)
     
  • CMC Crypto 200

    405,99
    +11,30 (+2,86%)
     
  • S&P500

    3.955,55
    +21,63 (+0,55%)
     
  • DOW JONES

    33.699,51
    +101,59 (+0,30%)
     
  • FTSE

    7.472,17
    -17,02 (-0,23%)
     
  • HANG SENG

    19.450,23
    +635,41 (+3,38%)
     
  • NIKKEI

    27.574,43
    -111,97 (-0,40%)
     
  • NASDAQ

    11.592,25
    +82,75 (+0,72%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,4976
    +0,0312 (+0,57%)
     

Refinarias da Índia buscam acordos de petróleo antes da proibição da UE ao petróleo russo

FOTO DE ARQUIVO: Homem pinta logotipo da refinaria de petróleo Bharat Petroleum Corp

Por Nidhi Verma

NOVA DÉLHI (Reuters) - As refinarias estatais da Índia planejam garantir mais oferta de petróleo em acordos a prazo, temendo que sanções ocidentais mais rígidas à Rússia, inclusive da UE, possam reduzir a oferta futura em mercados já apertados, disseram fontes das refinarias estatais.

A Indian Oil Corp, maior refinaria do país, e a Bharat Petroleum Corp estão buscando acordos a termo com países, incluindo os Estados Unidos, disseram fontes do setor.

"Estamos nos preparando para um plano alternativo. Quando o mundo está incerto por causa do conflito Rússia-Ucrânia, precisamos ter todas as opções em aberto", disse um funcionário de uma refinaria estatal.

A busca por acordos a prazo marca uma mudança na estratégia de compra das refinarias, que estava voltada para maximizar as compras à vista nos últimos anos, quando a oferta era abundante.

"Devido ao conflito Rússia-Ucrânia, esperamos uma possibilidade de mercados de petróleo apertados e uma mudança nos fluxos, com a maioria do petróleo do Oriente Médio atendendo às necessidades dos mercados europeus, por isso precisamos diversificar nossas fontes de petróleo", disse uma fonte em outro refinador estatal.

A dependência da Índia de compras spot permitiu que as refinarias indianas abocanhassem o petróleo russo com desconto, evitado por alguns compradores ocidentais por causa da invasão da Ucrânia por Moscou em fevereiro.

A Índia, que raramente comprava petróleo russo, emergiu como o segundo maior cliente de petróleo de Moscou depois da China.

Mas uma proibição da União Europeia às importações de petróleo russo a partir de 5 de dezembro levará as refinarias europeias a comprar mais petróleo do Oriente Médio, colocando-as em concorrência com compradores asiáticos.

Para garantir o abastecimento, a IOC assinou no mês passado seus primeiros acordos de importação de petróleo por seis meses com a brasileira Petrobras (12 milhões de barris) e com a colombiana Ecopetrol (6 milhões de barris).

A BPCL assinou um acordo inicial com a Petrobras para diversificar as fontes de petróleo.

Os suprimentos à IOC sob os dois acordos começarão a partir de outubro, disseram várias fontes familiarizadas com o assunto. A refinaria também está procurando mais suprimentos de curto prazo, incluindo um contrato para o petróleo dos EUA, acrescentaram.

A IOC já tem um acordo anual que oferece uma opção de compra de 18 milhões de barris de petróleo dos EUA. Destes, a companhia já comprou cerca de 12 milhões de barris até agora este ano, disseram.

Fontes afirmaram que a BPCL, que já aumentou as compras de petróleo nos EUA, está procurando mais contratos a prazo.

IOC e BPCL não responderam aos pedidos de comentários da Reuters. A Ecopetrol não pôde ser contatada para comentários fora de seu horário comercial.

(Por Nidhi Verma)