Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.061,99
    -871,79 (-0,72%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.528,97
    +456,35 (+0,95%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,75
    -0,92 (-1,47%)
     
  • OURO

    1.782,80
    +4,40 (+0,25%)
     
  • BTC-USD

    54.554,99
    -1.313,78 (-2,35%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.241,59
    +7,17 (+0,58%)
     
  • S&P500

    4.134,94
    -28,32 (-0,68%)
     
  • DOW JONES

    33.821,30
    -256,33 (-0,75%)
     
  • FTSE

    6.888,34
    +28,47 (+0,42%)
     
  • HANG SENG

    28.621,92
    -513,81 (-1,76%)
     
  • NIKKEI

    28.508,55
    -591,83 (-2,03%)
     
  • NASDAQ

    13.772,00
    -22,25 (-0,16%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6688
    -0,0337 (-0,50%)
     

Reedição de programa de proteção ao emprego formal deve ter custo de R$10 bi, diz secretário

·1 minuto de leitura

BRASÍLIA (Reuters) - A estimativa do governo é que as despesas com a nova versão do programa de proteção ao emprego formal BEM totalizem cerca de 10 bilhões de reais no ano, disse nesta terça-feria o secretário especial de Previdência e Trabalho, Bruno Bianco.

Em entrevista à imprensa, Bianco afirmou que a medida deve ser custeada por meio de um crédito extraordinário e, portanto, sem impactar o teto de gastos. O anúncio do programa deve ser feito "o quanto antes", mas só pode acontecer depois da sanção da lei orçamentária, o que ainda não aconteceu.

"Está demorando um pouco porque temos vários pontos fiscais a serem avaliados", disse Bianco em entrevista coletiva virtual. "Evidentemente faremos tudo com ampla e irrestrita responsabilidade fiscal."

O secretário afirmou que a ideia da área técnica é que o BEM seja reeditado exatamente nos mesmos moldes em que vigorou no ano passado. O programa ofereceu uma compensação de renda aos trabalhadores que tenham tido seus contratos de trabalho suspensos provisoriamente ou tenham sofrido redução de jornada e salários.

O programa foi considerado crucial para conter as demissões no mercado de trabalho formal, que fechou 2020 com a criação líquida de vagas.

(Por Isabel Versiani)