Mercado fechado
  • BOVESPA

    114.647,99
    +1.462,52 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    52.798,38
    +658,14 (+1,26%)
     
  • PETROLEO CRU

    82,66
    +1,35 (+1,66%)
     
  • OURO

    1.768,10
    -29,80 (-1,66%)
     
  • BTC-USD

    61.360,35
    +4.058,89 (+7,08%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.464,06
    +57,32 (+4,07%)
     
  • S&P500

    4.471,37
    +33,11 (+0,75%)
     
  • DOW JONES

    35.294,76
    +382,20 (+1,09%)
     
  • FTSE

    7.234,03
    +26,32 (+0,37%)
     
  • HANG SENG

    25.330,96
    +368,37 (+1,48%)
     
  • NIKKEI

    29.068,63
    +517,70 (+1,81%)
     
  • NASDAQ

    15.144,25
    +107,00 (+0,71%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3297
    -0,0741 (-1,16%)
     

Redução voluntária de consumo de energia atingirá até 500 MW em setembro, diz governo

·1 minuto de leitura
Vista da hidrelétrica de Furnas

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O programa de incentivo à redução voluntária de consumo de energia elétrica, uma das medidas do governo para lidar com a crise hidrelétrica, deve encerrar setembro com economia de até 500 MW, disse o secretário de Energia Elétrica do Ministério de Minas e Energia, durante um evento nesta quarta-feira.

O programa começou em setembro com aprovação de redução voluntária de demanda de pouco mais de 200 MW.

O secretário Christiano Vieira disse acreditar que a economia de energia, decorrente do programa, deverá aumentar em outubro. Mas ele não estimou um número para o próximo mês.

Desde 1º de setembro, o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) está recebendo ofertas dos agentes para o programa Redução Voluntária da Demanda.

Pelo esquema, compensa mais ao sistema elétrico arcar com os custos do programa do que despachar térmicas caras.

Podem participar do programa consumidores do mercado livre de energia ou agentes agregadores de demanda desses agentes (geradores e comercializadores).

O secretário disse ainda que as medidas do governo para lidar com crise hidrelétrica em 2021 e 2022 são suficientes para atender demanda e potência, diante da maior crise hídrica nos reservatórios de hidrelétricas --principal fonte de geração do país-- em mais de 90 anos.

(Por Rodrigo Viga Gaier)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos