Mercado fechará em 4 h 20 min
  • BOVESPA

    112.077,74
    +199,21 (+0,18%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    43.674,83
    0,00 (0,00%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,10
    -0,18 (-0,40%)
     
  • OURO

    1.841,40
    +15,70 (+0,86%)
     
  • BTC-USD

    19.362,41
    +413,16 (+2,18%)
     
  • CMC Crypto 200

    380,61
    +6,20 (+1,66%)
     
  • S&P500

    3.671,78
    +2,77 (+0,08%)
     
  • DOW JONES

    29.969,88
    +86,09 (+0,29%)
     
  • FTSE

    6.462,66
    -0,73 (-0,01%)
     
  • HANG SENG

    26.728,50
    +195,92 (+0,74%)
     
  • NIKKEI

    26.809,37
    +8,39 (+0,03%)
     
  • NASDAQ

    12.472,00
    +17,75 (+0,14%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2747
    -0,0451 (-0,71%)
     

Redução do comércio exterior brasileiro tende a perdurar, diz secretário

BERNARDO CARAM
·2 minuto de leitura

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O secretário especial de Comércio Exterior e Assuntos Internacionais do Ministério da Economia, Roberto Fendt Junior, afirmou nesta quinta-feira (12) que a redução do comércio exterior brasileiro observada neste ano tende a perdurar, com recuperação lenta. A avaliação diverge de declarações do ministro Paulo Guedes (Economia), que aposta nas exportações brasileiras como fator para segurar a retração do PIB (Produto Interno Bruto). Em evento promovido pela Associação de Comércio Exterior do Brasil, Fendt afirmou que a pandemia criou pressões protecionistas no mercado internacional. Ele, então, apresentou um panorama para o Brasil. "Com a queda de demanda dos países de destino e desvalorização da moeda brasileira, devemos observar uma redução do comércio -tanto do lado das exportações, quanto das importações- que tende ainda este ano a perdurar, tendo em vista que as circunstâncias que determinam o crescimento dessas duas variáveis vai mudar muito lentamente", disse. De acordo com o secretário, 2020 deve ser encerrado com um saldo positivo de US$ 55 bilhões na balança comercial. O dado, no entanto, será motivado por um recuo nas exportações e uma queda ainda mais forte nas importações. Pela estimativa do Ministério da Economia, as vendas de produtos brasileiros ao exterior deve cair 6,5% neste ano. A importação, por sua vez, deve retrair 12,5% no mesmo período. Fendt ressaltou que embora o Brasil seja uma das dez maiores economias do mundo quando se avalia a paridade de poder de compra, o país tem desempenho muito inferior quando se observa a corrente de comércio. Segundo o secretário, o Brasil apenas está melhor do que países como Cuba, Sudão e Turcomenistão quando se avalia o indicador de importação sobre PIB. "Não estamos em companhia de economias florescentes, economias de desempenho acentuado", afirmou. Desde o início da pandemia do coronavírus, Guedes vem afirmando que as exportações do Brasil foram pouco afetadas pela pandemia do coronavírus. Em agosto, ele disse que o impacto da crise sanitária nas vendas do país ao exterior foi "praticamente zero". Ele destacou que as exportações caíram para Estados Unidos e Europa e cresceram fortemente para a Asia. "Lá está o grande vetor de crescimento do mundo", disse Guedes na ocasião. Os dados mostram, no entanto, que o crescimento das vendas aos asiáticos não compensou as perdas sofridas em outras regiões. Em outro ponto de deterioração da balança comercial, o crescimento das exportações vem ocorrendo com produtos agropecuários, enquanto há recuco das vendas de bens industrializados e com maior valor agregado.