Mercado fechará em 6 h 17 min

Redes sociais desafiadas no combate à desinformação nos EUA

Alyza Sebenius
·3 minutos de leitura

(Bloomberg) -- Em agosto, um vídeo postado nas redes sociais por uma mulher da Flórida chamada Tina Brown descreveu o que ela alegou serem os riscos potenciais das cédulas eleitorais pelo correio. Brown disse que envelopes para eleitores democratas registrados incluíam um D no código de barras, enquanto os envelopes para republicanos continham um R. Ela então afirmou que um carteiro de esquerda poderia usar os identificadores para suprimir votos republicanos enquanto dizia: “Vamos simplesmente jogar fora”.

Mas o vídeo de Brown omitiu o fato de que as cédulas eram para as primárias de partidos separados, deixando a impressão de que eram para as eleições gerais de novembro.

Mesmo assim, o vídeo do Facebook recebeu 175 mil visualizações de meados de agosto até o fim de setembro e inspirou conteúdo falso semelhante no Facebook, Twitter, YouTube e TikTok. O fato de a afirmação falsa se espalhar tão facilmente pela Internet destaca os desafios enfrentados por empresas de redes sociais como Facebook e Twitter, que tentam combater informações falsas, especialmente sobre as eleições, mesmo enquanto a desinformação continua.

Também mostra os desafios enfrentados por autoridades do governo, que tentam administrar a eleição presidencial em meio à pandemia e um forte aumento de postagens online sobre votação pelo correio. O volume aumentou 91% nos últimos meses, e grande parte envolve informações falsas. Por exemplo, que as cédulas por correio não contam e que esse tipo votação favorece fraudes, de acordo com uma nova pesquisa da Universidade Clemson.

Um novo estudo da Universidade Harvard - que analisou mais de 5 milhões de tuítes, 75 mil postagens no Facebook e 55 mil artigos de mídia online - concluiu que a campanha de Trump e a Fox News foram a força por trás de falsas alegações sobre cédulas por correio, com certa contribuição das redes sociais. A pesquisa da Clemson revelou que a conta de Trump no Twitter tem sido a mais influente no debate online sobre votação por correspondência.

Facebook e Twitter - ambos anunciaram protocolos mais amplos para promover a precisão das informações eleitorais no mês passado - aplicaram de forma inconsistente suas políticas que tratam o conteúdo que consideram relevante ou de interesse público, de maneira diferente de outras postagens, segundo a análise. No caso do vídeo de Brown, o Twitter removeu todas as postagens contendo o vídeo, exceto uma, mas não agiu em casos em que a mesma afirmação enganosa foi feita em tuítes, de acordo com a Election Integrity Partnership. O Facebook permitiu que o vídeo permanecesse online, mas o etiquetou com links para contexto adicional.

Um porta-voz do Twitter disse que é contra as regras da empresa “usar nosso serviço com o objetivo de manipular ou interferir nas eleições. Isso inclui postar ou compartilhar conteúdo que possa suprimir a participação ou enganar pessoas sobre quando, onde ou como participar de uma eleição.” O Twitter usa “fortes ações de supervisão” e atualiza constantemente suas regras para “proteger o debate público online sobre cédulas por correio”, disse o porta-voz.

Um representante do Facebook disse que a análise da Election Integrity Partnership refletiu bem a empresa em relação a outras plataformas de mídia social. “Implementamos políticas fortes contra a supressão de eleitores que aplicamos uniformemente a todos”, disse a empresa em comunicado. “Estamos constantemente melhorando esses sistemas, mas estamos encorajados pelo progresso que fizemos”, disse o representante.

Em entrevista a uma rede de TV local, Brown disse que postou o vídeo para educar os eleitores e que a reação foi “louca”. A Bloomberg não conseguiu entrar em contato com Brown para comentários.

For more articles like this, please visit us at bloomberg.com

Subscribe now to stay ahead with the most trusted business news source.

©2020 Bloomberg L.P.