Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    42.906,35
    -1.720,95 (-3,86%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

Rede vai prestar assessoria para mães solo receberem o 'novo' auxílio emergencial

·1 minuto de leitura
  • Rede na comunidade de Rio das Pedras, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, vai auxiliar famílias;

  • O foco é atender quem teve auxílio negado mesmo tendo direito;

  • Veja documentos necessários para o atendimento.

Com o objetivo de garantir a continuidade do benefício emergencial - agora chamado Renda Básica - para mães solo, uma ação da Rede Brasileira de Renda Básica na comunidade de Rio das Pedras, na Zona Oeste do Rio de Janeiro, vai prestar assessoria jurídica no local, de forma gratuita. 

O foco é atender famílias que tiveram auxílio negado mesmo tendo direito. Somente no Estado do Rio, mais de 2 milhões de pessoas tiveram o pagamento interrompido.

A assessoria vai ocorrer das 12h às 17h na Rua Espada de São Jorge 62, na localidade conhecida como Areal. Entre os documentos necessários, devem estar:

  • a consulta ao Ministério da Cidadania sobre o motivo da negativa do auxílio;

  • cópia do Cadastro Único (CadÚnico) do governo federal, 

  • baixa de contrato de trabalho (se houver);

  • documento de identificação (RG, CPF).

Leia também:

Paola Carvalho, diretora de Relações Institucionais da rede explica ao EXTRA que está colhendo casos de pessoas que tenham tido o auxílio negado para embasar denúncia da Defensoria Pública da União (DPU), que tem se empenhado para resolver as pendências relativas ao auxílio emergencial.

Procurados pelo Extra, o Ministério da Cidadania e a Dataprev não informaram quantos pedidos de auxílio emergencial ainda estão em fase de reanálise e se há expectativa de liberação de novas cotas para quem está com processo em reanálise ou contestação.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos