Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.038,11
    +2.117,50 (+1,77%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.249,02
    +314,11 (+0,64%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,82
    +0,11 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.832,00
    +16,30 (+0,90%)
     
  • BTC-USD

    58.607,88
    +1.540,59 (+2,70%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.480,07
    +44,28 (+3,08%)
     
  • S&P500

    4.232,60
    +30,98 (+0,74%)
     
  • DOW JONES

    34.777,76
    +229,23 (+0,66%)
     
  • FTSE

    7.129,71
    +53,54 (+0,76%)
     
  • HANG SENG

    28.610,65
    -26,81 (-0,09%)
     
  • NIKKEI

    29.357,82
    +26,45 (+0,09%)
     
  • NASDAQ

    13.715,50
    +117,75 (+0,87%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3651
    -0,0015 (-0,02%)
     

Rede Starlink pode chegar à "conectividade global completa" em cinco lançamentos

Danielle Cassita
·2 minuto de leitura

Na semana passada, a SpaceX lançou mais uma leva de 60 satélites Starlink. Um dia antes do lançamento, Gwynne Shotwell, presidente e diretora de operações da empresa, comentou durante uma conferência virtual realizada no evento LEO Digital Forum que a constelação de satélites pode chegar à “conectividade global completa” em apenas alguns meses, o que pode ser alcançado com cinco lançamentos.

No dia seguinte, a SpaceX realizou seu 23º lançamento de satélites Starlink, somando o total de unidades na órbita para 1.369, sendo que quase 500 deles foram lançados somente neste ano. Então, se considerarmos os planos atuais da SpaceX, é possível que a empresa realmente consiga oferecer cobertura completa para 99% das pessoas no mundo já em setembro, o que iria exigir cerca de 1.700 satélites ativos.

Quando estiver finalizada, a megaconstelação de satélites poderá levar internet de alta velocidade para todo o mundo, incluindo regiões remotas(Imagem: Reprodução/SpaceX)
Quando estiver finalizada, a megaconstelação de satélites poderá levar internet de alta velocidade para todo o mundo, incluindo regiões remotas(Imagem: Reprodução/SpaceX)

Dos 1.383 satélites operacionais já lançados pela SpaceX, aproximadamente 1.369 ainda estão em órbita e pelo menos 1.356 seguem operando conforme o esperado; ainda, há mais de 900 que já chegaram às órbitas finais e seguem operacionais, enquanto 400 parecem estar em órbitas estacionárias de longo prazo, a centenas de quilômetros abaixo das órbitas de operação.

Embora não esteja claro o que a fala de Shotwell significa exatamente em termos técnicos, essa será uma conquista impressionante para a empresa se realmente ocorrer; afinal, o primeiro lançamento dos satélites ocorreu em 2019, e foi somente no ano passado que a SpaceX passou a oferecer inscrições para os testes beta do serviço para clientes de algumas regiões — algo que será expandido gradualmente.

Além disso, dependendo do que a SpaceX considera como “cobertura global”, é possível que este cronograma mude — até porque as regiões polares da Terra iriam exigir um número ainda maior de satélites, e ainda não está claro se a SpaceX tem planos para elevar o número de unidades de cobertura dessas regiões.

De qualquer forma, a SpaceX parece ter feito uma pausa de duas semanas nos lançamentos para focar na missão Crew-2, que será a segunda missão totalmente operacional realizada com a nave Crew Dragon, com lançamento estimado para o final do mês de abril. Depois, a empresa deverá retomar os lançamentos no final de abril ou início de maio.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: