Mercado fechado
  • BOVESPA

    120.348,80
    -3.132,20 (-2,54%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.892,28
    -178,62 (-0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    51,82
    -0,54 (-1,03%)
     
  • OURO

    1.822,10
    -7,80 (-0,43%)
     
  • BTC-USD

    35.949,83
    +15,67 (+0,04%)
     
  • CMC Crypto 200

    700,68
    -34,47 (-4,69%)
     
  • S&P500

    3.768,25
    -27,29 (-0,72%)
     
  • DOW JONES

    30.814,26
    -177,24 (-0,57%)
     
  • FTSE

    6.735,71
    -66,25 (-0,97%)
     
  • HANG SENG

    28.478,22
    -95,64 (-0,33%)
     
  • NIKKEI

    28.262,79
    -256,39 (-0,90%)
     
  • NASDAQ

    12.750,25
    -52,00 (-0,41%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3852
    -0,0074 (-0,12%)
     

Rede social Parler sai do ar após ser banida por Amazon, Google e Apple

Rubens Eishima
·2 minuto de leitura

Os aplicativos e o acesso web da rede social Parler saíram do ar após o prazo dado pela Amazon para a hospedagem do serviço. Usado por ativistas de direita, principalmente nos Estados Unidos, a rede foi suspensa pela AWS (Amazon Web Services) após acusações de violações da política de uso da hospedagem terceirizada.

Em comunicado enviado aos responsáveis pelo Parler, a AWS anunciou que suspenderia o serviço de hospedagem da rede social na madrugada desta segunda-feira (11, meia-noite do domingo no horário da Califórnia), com base no que a empresa determinou serem repetidas violações às suas políticas de uso aceitável:

“Recentemente, vimos um aumento constante de conteúdo violento em seu site, o que viola nossos termos [...] Dados os infelizes acontecimentos ocorridos na semana passada em Washington, DC, há um sério risco de que esse tipo de conteúdo incite ainda mais a violência”, escreveu a AWS para Amy Peikoff, gerente de regras do Parler.

O serviço de hospedagem de servidores e sites da Amazon alega que o Parler não tomou as medidas necessárias para moderar conteúdos, com destaque para publicações que incitam a violência.

Parler?

A rede social ganhou destaque no último ano por receber milhões de usuários vindos de plataformas mais populares, como o Twitter ou Facebook. O Parler se apresentou como um serviço sem censura nem o domínio de algoritmos, por exemplo, afirmando que “protege seu direito constitucional à liberdade de expressão”.

Repleto de símbolos usados para atrair a direita norte-americana — águia, “livre mercado”, “liberdade”, “proteja sua família” — o Parler ganhou força em meio às acusações de que o BigTech (Google, Facebook, Microsoft) privilegiavam pontos de vista progressivos (ou de esquerda), censurando visões conservadoras.

Durante a confirmação da vitória do democrata Joe Biden à presidência dos Estados Unidos, o Parler foi uma das redes sociais usadas para mobilizar radicais de direita a invadirem o Capitólio, seguindo postagens do atual presidente Donald Trump.

Tentativas de acesso ao site do Parler retornam mensagem de erro nesta segunda-feira (11) (Imagem: Canaltech)
Tentativas de acesso ao site do Parler retornam mensagem de erro nesta segunda-feira (11) (Imagem: Canaltech)

Após o ataque ao parlamento norte-americano, tanto a Apple quanto o Google reagiram com a remoção do Parler de suas lojas de aplicativos para iOS e Android. Apesar de indisponíveis para novas instalações, o funcionamento do app seguia normalmente para quem já o tinha no celular. Com o desligamento da estrutura do app pela AWS, porém, será preciso que o Parler encontre outro serviço de hospedagem para colocar sua plataforma no ar novamente, algo que a empresa ainda não informou se irá acontecer.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: