Mercado fechado
  • BOVESPA

    129.441,03
    -635,14 (-0,49%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.286,46
    +400,13 (+0,79%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,78
    +0,49 (+0,70%)
     
  • OURO

    1.879,50
    -16,90 (-0,89%)
     
  • BTC-USD

    35.691,31
    -1.147,20 (-3,11%)
     
  • CMC Crypto 200

    924,19
    -17,62 (-1,87%)
     
  • S&P500

    4.247,44
    +8,26 (+0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.479,60
    +13,36 (+0,04%)
     
  • FTSE

    7.134,06
    +45,88 (+0,65%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,25 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    28.948,73
    -9,83 (-0,03%)
     
  • NASDAQ

    13.992,75
    +33,00 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1926
    +0,0391 (+0,64%)
     

Rede social Parler retorna à loja de aplicativos da Apple

·1 minuto de leitura
Logo da rede social Parler na tela de um celular

A Parler, uma rede social popular entre os conservadores antes de ser banida por sua suposta ligação com a invasão do Congresso dos Estados Unidos em 6 de janeiro, voltou à loja de aplicativos da Apple nesta segunda-feira (17).

A decisão é anunciada um mês depois que a fabricante do iPhone informou que permitiria o download do aplicativo com atualizações destinadas a conter os incitamentos à violência.

Em um comunicado, a Parler disse que deu "evidências indiscutíveis ao Congresso e ao público de que seu uso como bode expiatório e sua remoção da plataforma foram profundamente injustos".

Acusada de não impedir o incitamento à violência por partidários do ex-presidente Donald Trump antes do ataque ao Congresso, a Parler foi removida das lojas de aplicativos online da Apple e do Google e teve seus serviços temporariamente encerrados quando a Amazon Web Services se recusou a continuar hospedando a plataforma em seus servidores.

Segundo a empresa, havia mais de 20 milhões de usuários antes disso acontecer.

Segundo o Washington Post, a versão da Parler em aparelhos da Apple será moderada com inteligência artificial para filtrar mensagens de incitamento ao ódio, que podem continuar a ser vistas no site da rede social ou em outros aparelhos.

A Parler, que se autodenomina “a rede social pela liberdade de expressão”, não confirmou a informação do jornal norte-americano.

bur-rl/jm/gma/mps/am