Mercado fechado
  • BOVESPA

    109.114,16
    -2.601,84 (-2,33%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    44.808,56
    -587,38 (-1,29%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,52
    -0,19 (-0,25%)
     
  • OURO

    1.631,50
    -1,90 (-0,12%)
     
  • BTC-USD

    19.136,71
    +317,39 (+1,69%)
     
  • CMC Crypto 200

    438,96
    +5,86 (+1,35%)
     
  • S&P500

    3.655,04
    -38,19 (-1,03%)
     
  • DOW JONES

    29.260,81
    -329,60 (-1,11%)
     
  • FTSE

    7.020,95
    +2,35 (+0,03%)
     
  • HANG SENG

    17.855,14
    -78,13 (-0,44%)
     
  • NIKKEI

    26.431,55
    -722,28 (-2,66%)
     
  • NASDAQ

    11.303,50
    -12,75 (-0,11%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1723
    +0,0747 (+1,47%)
     

Rede social de Donald Trump é rejeitada pela loja do Android

A Truth Social, rede social criada pelo ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump, teve o pedido de cadastro rejeitado pela Google Play Store. A loja oficial do Android alegou que o aplicativo tem "moderação insuficiente de conteúdo", uma das regras estabelecidas nas políticas do Google para apps de social media.

A plataforma teria sido notificada sobre as violações das políticas da comunidade e só poderá ser liberada na loja se cumprir o requisito, segundo informou o site Axios. “Ter sistemas eficazes para moderar conteúdo do usuário é uma condição dos nossos termos de serviço para qualquer aplicativo ir ao ar no Google Play”, ressaltou a notificação.

A rede social de Donald Trump teve o pedido de ingresso na Google Play Store rejeitado (Imagem: Reprodução/Truth Social)
A rede social de Donald Trump teve o pedido de ingresso na Google Play Store rejeitado (Imagem: Reprodução/Truth Social)

A Truth foi criada justamente para retirar as amarras impostas pelas redes sociais tradicionais de moderação de conteúdo. Facebook, Instagram, Twitter, Snapchat e TikTok possuem regras bastante rígidas quanto às fotos e vídeos publicados. No caso da Truth, o problema seria a enorme quantidade de conteúdo violento, com questões relacionadas a ameaças físicas e incitação à desordem.

Aparentemente, a rede só costuma banir conteúdos criminosos da plataforma. Outros temas recebem apenas rótulos de "conteúdo sensível", mas ficam livres para quem quiser acessar.

Outra questão que teria deposto contra o programa seria a elevada quantidade de materiais associados às fake news e desinformação. Teorias conspiratórias, movimento antivacinas, críticas infundadas a políticos rivais de Trump e outros assuntos similares estão presentes por lá.

Truth e a "busca pela verdade"

O Google reforçou sua política de combate a notícias falsas e conteúdos violentos desde a invasão ao Capitólio, ocorrida em janeiro de 2021, após a derrota nas urnas de Donald Trump. Desde o fatídico episódio, que teria sido organizado pelas redes sociais, as empresas de mídia têm se mostrado duras a eventos violentos ou informações sem embasamento.

Trump lançou a Truth, em fevereiro de 2022, como uma resposta ao seu banimento do Twitter. Assim como ele, vários outros seguidores também foram punidos e acabaram migrando para plataformas mais liberais.

Há casos de denúncias envolvendo até apoiadores do QAnon, responsáveis por propagar ideias sobre um grupo internacional secreto formado por pedófilos, satanistas e canibais que conduziriam uma estratégia global de tráfico sexual infantil, responsável por conspirar contra políticos de extrema-direita.

A Truth teria promovido contas de seguidores da teoria, além de concedido selo de verificação para 47 outros perfis conspiratórios — todos com mais de 10 mil seguidores. A maioria desses perfis ressaltados já haviam sido banidos de outras redes antes, justamente por espalhar os boatos sem apresentar comprovação.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: