Mercado fechado
  • BOVESPA

    113.282,67
    -781,69 (-0,69%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.105,71
    -358,56 (-0,70%)
     
  • PETROLEO CRU

    73,95
    +0,65 (+0,89%)
     
  • OURO

    1.750,60
    +0,80 (+0,05%)
     
  • BTC-USD

    42.837,13
    -2.017,57 (-4,50%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.067,20
    -35,86 (-3,25%)
     
  • S&P500

    4.455,48
    +6,50 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    34.798,00
    +33,18 (+0,10%)
     
  • FTSE

    7.051,48
    -26,87 (-0,38%)
     
  • HANG SENG

    24.192,16
    -318,82 (-1,30%)
     
  • NIKKEI

    30.248,81
    +609,41 (+2,06%)
     
  • NASDAQ

    15.319,00
    +15,50 (+0,10%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2556
    +0,0306 (+0,49%)
     

Rede de radiotelescópios revela detalhes de galáxias em resolução 20 vezes maior

·3 minuto de leitura

Durante quase uma década, uma equipe internacional de astrônomos observou o espaço profundo através do radiotelescópio Low Frequency Array (LOFAR), formado por milhares de antenas distribuídas pela Europa. O resultado são algumas das imagens mais detalhadas já vistas de galáxias distantes da nossa, que, além da beleza, mostram também os detalhes dos processos internos delas, em detalhes sem precedentes.

O LOFAR é a maior rede de radiotelescópios de baixa frequência funcionando na Terra atualmente, e captura radiofrequências na banda FM, que, ao contrário de comprimentos de onda menores, não são bloqueadas por poeira ou gás. Assim, o telescópio combina as observações de cerca de 70.000 antenas espalhadas pela Europa através da radiointerferometria, que rendeu observações em resolução 20 vezes maior que o comum.

Animação que compara a resolução padrão e as observações em alta resolução, com os detalhes que podem ser observados com as novas técnicas (Imagem: Reprodução/L.K. Morabito; LOFAR Surveys KSP)
Animação que compara a resolução padrão e as observações em alta resolução, com os detalhes que podem ser observados com as novas técnicas (Imagem: Reprodução/L.K. Morabito; LOFAR Surveys KSP)

Como as antenas do LOFAR ficam espalhadas por toda a Europa, a equipe usou os sinais das instalações de todo o território e, assim, conseguiu aumentar o diâmetro da "lente" para quase 2.000 km. Além disso, o LOFAR funciona com um novo conceito, em que os sinais coletados por cada antena são digitalizados, transferidos a um processador central e, depois, combinados para criar uma imagem. Portanto, cada imagem do LOFAR é o resultado dos sinais de mais de 70 mil antenas.

As novas observações foram feitas em uma colaboração internacional que trabalhou com toda a rede. “Nosso objetivo é que isso permita que a comunidade científica utilize toda a rede de telescópios LOFAR para ciência própria, sem precisar levar anos para se tornarem especialistas”, explicou o astrônomo Leah Morabito, da Durham University. Além disso, os dados do LOFAR podem ajudar também a revelar os mistérios do comportamento das galáxias — principalmente quando o assunto são os jatos de partículas dos buracos negros supermassivos. Esses objetos estão presentes no coração de várias galáxias, e muitos deles são ativos, ou seja, devoram matéria.

A galáxia Hercules A tem um buraco engro supermassivo ems euc entro, que libera jatos em altíssimas velocidades (Imagem: Reprodução/R. Timmerman; LOFAR & Hubble Space Telescope)
A galáxia Hercules A tem um buraco engro supermassivo ems euc entro, que libera jatos em altíssimas velocidades (Imagem: Reprodução/R. Timmerman; LOFAR & Hubble Space Telescope)

Quando isso acontece, os buracos negros emitem jatos poderosos que podem ser observados através das ondas de rádio — que foi exatamente o foco das imagens em alta resolução. "Essas imagens em alta resolução nos proporcionam zoom para observar o que está realmente acontecendo quando buracos negros supermassivos liberam jatos de ondas de rádio, o que não era possível antes a frequências próximas da banda de rádio FM", explicou o astrônomo Neal Jackson. Para isso, uma das galáxias analisadas foi a 3C 293, que parece ter um fluxo constante de jatos.

Os pesquisadores concluíram que a galáxia passou por vários períodos de atividade devido às disrupções dos jatos e alimentação intermitente, o que sugere também que o buraco negro supermassivo passou por pelo menos um período de hibernação. Já outra análise foi voltada para a galáxia Hercules A e ao buraco negro supermassivo em seu centro. As observações mostraram que os jatos liberados sofrem aumento e diminuição de intensidade a cada centenas de milhares de anos, que gera estruturas nos lobos gigantes de rádio da galáxia.

Os artigos com os resultados dos estudos foram publicados em uma edição especial da revista Astronomy & Astrophysics.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos