Mercado fechado
  • BOVESPA

    100.552,44
    +12,61 (+0,01%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    38.669,25
    +467,44 (+1,22%)
     
  • PETROLEO CRU

    39,78
    -0,25 (-0,62%)
     
  • OURO

    1.923,10
    -6,40 (-0,33%)
     
  • BTC-USD

    12.878,66
    +1.821,65 (+16,48%)
     
  • CMC Crypto 200

    257,78
    +12,89 (+5,26%)
     
  • S&P500

    3.435,56
    -7,56 (-0,22%)
     
  • DOW JONES

    28.210,82
    -97,97 (-0,35%)
     
  • FTSE

    5.776,50
    -112,72 (-1,91%)
     
  • HANG SENG

    24.754,42
    +184,88 (+0,75%)
     
  • NIKKEI

    23.493,37
    -146,09 (-0,62%)
     
  • NASDAQ

    11.625,25
    -66,00 (-0,56%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6510
    +0,0010 (+0,02%)
     

Rede D'Or pretende crescer leitos em 80% em até 5 anos após IPO

Por Aluisio Alves
·2 minutos de leitura
.
.

Por Aluisio Alves

SÃO PAULO (Reuters) - A Rede D'Or São Luiz, maior grupo hospitalar privado do país, pretende ampliar a oferta de leitos de sua rede em cerca de 80% nos próximos cinco anos, informou a companhia em seu pedido de oferta inicial de ações (IPO) nesta terça-feira.

"A companhia pretende incrementar sua capacidade operacional em mais de 5,2 mil novos leitos até o fim de 2025, além da possibilidade de expansão em hospitais em mais de 1,7 mil leitos", diz trecho do documento enviado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

No fim de setembro, a Rede D'Or tinha 8.505 leitos totais, sendo 6,9 mil operacionais, distribuídos em 51 hospitais próprios, um sob administração e 32 projetos em desenvolvimento.

Além da expansão orgânica, o grupo afirmou que pretende usar parte dos recursos da oferta primária de ações para construir mais hospitais e comprar hospitais, clínicas de oncologia, corretoras de seguros, entre outros negócios.

"A companhia entende haver significativas oportunidades para expandir ainda mais seus negócios e sua participação de mercado em um setor altamente fragmentado", diz o prospecto preliminar.

A operação servirá também para venda de ações detidas por atuais sócios da companhia, incluindo o fundo de private equity Carlyle, o FIP Delta e investidores pessoa física.

O muito aguardado IPO da Rede D'Or será coordenado por Bank America, BTG Pactual, JPMorgan, Bradesco BBI, XP, BB-Banco de Investimento, Citi, Credit Suisse, Safra e Santander Brasil.

A companhia informou no documento que teve receita líquida de 9,86 bilhões de reais de janeiro a setembro, praticamente estável em relação a igual período de 2019. Mas os impactos da Covid-19 fizeram a margem Ebitda cair de 26,6% para 14,8%.

A empresa anunciou na noite da última sexta-feira que havia pedido registro para IPO.