Mercado fechará em 1 h 14 min
  • BOVESPA

    129.878,48
    +437,45 (+0,34%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.245,96
    -40,50 (-0,08%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,93
    +0,02 (+0,03%)
     
  • OURO

    1.866,40
    -13,20 (-0,70%)
     
  • BTC-USD

    39.904,95
    +2.484,48 (+6,64%)
     
  • CMC Crypto 200

    996,58
    +27,74 (+2,86%)
     
  • S&P500

    4.237,87
    -9,57 (-0,23%)
     
  • DOW JONES

    34.252,15
    -227,45 (-0,66%)
     
  • FTSE

    7.146,68
    +12,62 (+0,18%)
     
  • HANG SENG

    28.842,13
    +103,23 (+0,36%)
     
  • NIKKEI

    29.161,80
    +213,07 (+0,74%)
     
  • NASDAQ

    14.062,75
    +68,50 (+0,49%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1439
    -0,0487 (-0,79%)
     

Recurso do iOS 15 pode prejudicar newsletters comerciais; entenda

·2 minuto de leitura

Na WWDC 2021, a Apple dedicou boa parte da apresentação para comentar sobre suas novas ferramentas para preservar a privacidade de usuários em e-mails. O Mail Privacy Protection, um dos mecanismos principais nesse contexto, promete mascarar a identidade do destinatário e minimizar o rastro deixado pela caixa de entrada, contudo, acaba colocando em risco a sustentabilidade de newsletters e campanhas comerciais.

Isso acontece porque partes das mensagens de e-mail (imagens, por exemplo) podem ter comportamento distinto, sendo baixadas da web no instante em que ele é aberto. O método pode ser adotado para reduzir o tamanho da mensagem, mas também como forma para monitorar a atividade do usuário, contabilizando quando e quantas vezes ela foi aberta e qual dispositivo foi usado para fazer a leitura.

Esse parâmetro, portanto, acaba sendo um interessante meio para contabilizar o alcance de campanhas promocionais e newsletters. Os números obtidos pelas imagens permitem analisar o engajamento do conteúdo de forma precisa, além de abrir caminho para análises sobre a forma em que o conteúdo é consumido.

Recurso mascara o endereço de IP do usuário por um servidor intermediário (Imagem: Reprodução/Apple Insider)
Recurso mascara o endereço de IP do usuário por um servidor intermediário (Imagem: Reprodução/Apple Insider)

Com o Mail Privacy Protection, a Apple deu fim a esse rastro. “Já que o e-mail será carregado automaticamente após a entrega, o horário de visualização da mensagem não estará mais correto. E tendo em vista que o conteúdo é carregado sem revelar o endereço IP ou cabeçalhos do remetente, a localização e o tipo de dispositivo não são revelados”, comentou o especialista em privacidade da Apple, Garrett Reid.

O executivo disse ainda que as mensagens enviadas seriam dadas como abertas instantaneamente, antes mesmo que o usuário tenha sido notificado. Segundo o representante da Maçã, o sistema implementa um servidor como intermediador da comunicação entre o remetente e o destinatário, conferindo automaticamente o conteúdo do e-mail para assegurar a segurança e privacidade do consumidor.

Ainda há salvação para newsletters

Embora as camadas do Mail Privacy Protection embaracem algumas métricas de engajamento, newsletters e campanhas promocionais podem utilizar outros meios para obter informações úteis. O autor do veículo Platformer, Casey Newton, comenta que o total de inscrições, quantidade de acessos online e o aumento da receita não são afetados pela proteção da Apple.

Além disso, newsletters fortemente impactadas pela proteção podem estudar outros modelos de monetização, como assinaturas e, logicamente, colaborações voluntárias.

No iOS 15, o Mail Privacy Protection poderá ser ativado na primeira vez que o app de e-mail nativo for aberto. Ademais, o recurso será habilitado por padrão a partir do menu de configurações. Graças a sua praticidade, é provável que ele seja tão utilizado quanto o App Tracking Transparency, um grande sucesso do iOS 14.5.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech: