Mercado abrirá em 6 h 18 min
  • BOVESPA

    113.583,01
    +300,34 (+0,27%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    51.598,53
    +492,82 (+0,96%)
     
  • PETROLEO CRU

    76,60
    +1,15 (+1,52%)
     
  • OURO

    1.743,60
    -8,40 (-0,48%)
     
  • BTC-USD

    42.290,56
    -1.813,34 (-4,11%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.047,86
    -53,66 (-4,87%)
     
  • S&P500

    4.443,11
    -12,37 (-0,28%)
     
  • DOW JONES

    34.869,37
    +71,37 (+0,21%)
     
  • FTSE

    7.063,40
    +11,92 (+0,17%)
     
  • HANG SENG

    24.570,71
    +361,93 (+1,50%)
     
  • NIKKEI

    30.183,96
    -56,10 (-0,19%)
     
  • NASDAQ

    15.095,50
    -99,25 (-0,65%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,2869
    -0,0199 (-0,32%)
     

Recuperada, Viver muda de rumo e mira obras paradas

·3 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Cinco anos depois de pedir recuperação judicial, a incorporadora Viver encerrou o processo no último dia 2, afirmou que 98% das dívidas já haviam sido quitadas e planeja agora empreendimentos para o público de renda média em São Paulo.

"A companhia entende que este é o momento de crescer e se fortalecer visando uma estrutura cada vez mais sólida, retomando os lançamentos imobiliários cautelosamente", afirma o fato relevante divulgado pela companhia.

O diretor-executivo da empresa, Ricardo Piccinini, disse que a Viver planejava ter lançamentos ainda neste ano em bairros como Santana, Vila Mariana e Butantã.

A estratégia da empresa para o pós-recuperação é bem diferente daquela que a levou a esse processo. A Viver, que até 2011 se chamava Inpar, abriu seu capital em 2007 e expandiu a atuação por várias regiões do Brasil.

"A Viver fez mudança estratégica depois do IPO, saiu do alto padrão nos Jardins para fazer econômico de Porto Alegre ao Pará, o que se mostrou pouco rentável e culminou na recuperação judicial", afirma Arthur Ruperes Marin, vice-presidente de operações da incorporadora desde 2019.

A expansão geográfica pelo país foi um caminho traçado por muitas incorporadoras que abriram capital nessa época -e não foram poucas as que tiveram problemas.

"Nós tivemos um grande volume de IPOs em 2005 e 2006 e, ao meu ver, as empresas foram todas superavaliadas. Elas acessaram volumes impressionantes de capital relativamente à sua capacidade de gestão", diz João da Rocha Lima, coordenador do Núcleo de Real Estate da Escola Politécnica da USP.

Da noite para o dia, essas incorporadoras passaram a ter muito mais recursos financeiros, mas também a obrigação de investi-los. A atuação em novas regiões, contudo, exige uma adaptação grande da empresa, já que costumes, exigências e a capacidade de pagamento dos consumidores mudam.

A mudança de padrão das construções também é uma decisão arriscada, afirma Alberto Ajzental, professor e coordenador do curso de Negócios Imobiliários da FGV. "É mais difícil ir de produto para classe média para o popular do que o inverso, porque você tem que saber fazer barato", avalia o professor.

Segundo Ricardo Piccinini, entrar em recuperação judicial apenas para resolver os problemas financeiros não seria uma boa escolha, por isso foi pensada a mudança na atuação da Viver.

Entre as estratégias, foi criada uma nova empresa, a Solv, especializada em recuperação de prédios que estão com as obras paradas.

"A Viver serviu de laboratório, construímos uma solução, e podemos ajudar quem tem esse problema", afirma Arthur Marin. A Solv também recupera empreendimentos de outras empresas.

Além da parte de construção civil, a retomada das obras envolve lidar com processos judiciais e credores, e vender os apartamentos.

A empresa está recuperando obras em Recife e Goiânia, e agora vai trabalhar em empreendimentos parados em São Paulo e Santo André, na região metropolitana.

Diferentemente da nova fase da Viver, a Solv tem atuação nacional, restrita a regiões com mais de 1,5 milhão de habitantes. A preferência é por obras residenciais ou que possam ser convertidas em residências, e com pelo menos 40% de conclusão.

Segundo Marin, a empresa pretende trabalhar com cinco ou seis obras por ano.

Piccinini diz que o pedido de encerramento da recuperação judicial animou investidores. As ações da Viver tiveram um pico após o pedido, feito em meados de junho. O valor dos títulos da companhia, que estava em R$ 2,62, chegou a R$ 9,81.

*

OS CAMINHOS DA INCORPORADORA

1992

A incorporadora Inpar é fundada pelo empresário Alcides Parizotto, que 30 anos antes havia criado a rede Atacadão

2007

A Inpar realiza abertura de capital, com captação de R$ 756 milhões

2008

O fundo imobiliário americano Paladin se torna o principal acionista

2011

A Inpar muda de nome para Viver

2016

Em setembro, com cerca de R$ 1 bilhão em dívidas, a Viver pede recuperação judicial

2020

É criada a Solv, negócio da incorporadora focado na recuperação de obras habitacionais paradas

2021

Em 2.ago., a incorporadora comunica o encerramento da recuperação judicial, com 98% das dívidas aos credores pagas

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos