Mercado fechará em 2 h 19 min

Recuperação do mercado de trabalho no Brasil perde força em janeiro, indica FGV

Camila Moreira
·1 minuto de leitura
Mulher coloca currículo em caixa no centro de São Paulo

Por Camila Moreira

SÃO PAULO (Reuters) - O mercado de trabalho brasileiro iniciou 2021 perdendo ritmo, de acordo com os dados do Indicador Antecedente de Emprego (IAEmp) divulgados nesta sexta-feira pela Fundação Getulio Vargas.

O IAEmp, que antecipa os rumos do mercado de trabalho no Brasil, caiu 2,2 pontos em janeiro e foi a 83,5 pontos, depois de fechar 2020 com ganhos.

"A queda do IAEmp em janeiro sugere uma perda de ritmo da recuperação do mercado de trabalho. Nos últimos meses o indicador vinha oscilando, mas ainda em patamar abaixo do que era observado no período anterior à pandemia", disse Rodolpho Tobler, economista da FGV Ibre, em nota.

"A provável desaceleração da atividade econômica no primeiro trimestre e o elevado nível de incerteza ainda não permitem que seja possível imaginar uma melhora desse indicador no curto prazo", completou.

O Indicador Coincidente de Desemprego (ICD), por sua vez, recuou 3,8 pontos, para 98,8 pontos. O ICD é um indicador com sinal semelhante ao da taxa de desemprego, ou seja, quanto menor o número, melhor o resultado.

"Os próximos resultados podem confirmar se houve uma inversão da tendência, mas o fim dos programas do governo, a dificuldade que alguns setores ainda encontram na recuperação e a piora dos números da pandemia ainda não sugerem uma expectativa positiva para os próximos meses", alertou Tobler.

O Brasil tinha 14 milhões de desempregados no trimestre encerrado em novembro, com taxa de desemprego de 14,1%, de acordo com dados do IBGE. Mas o mercado de trabalho continuou indicando alguma recuperação das vagas perdidas no início da pandemia com aumento na população ocupada.