Mercado abrirá em 3 h 36 min
  • BOVESPA

    117.380,49
    -948,51 (-0,80%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.126,51
    +442,96 (+0,99%)
     
  • PETROLEO CRU

    52,61
    -0,16 (-0,30%)
     
  • OURO

    1.852,70
    -2,50 (-0,13%)
     
  • BTC-USD

    31.783,96
    -584,32 (-1,81%)
     
  • CMC Crypto 200

    641,88
    -35,01 (-5,17%)
     
  • S&P500

    3.855,36
    +13,89 (+0,36%)
     
  • DOW JONES

    30.960,00
    -36,98 (-0,12%)
     
  • FTSE

    6.656,69
    +17,84 (+0,27%)
     
  • HANG SENG

    29.391,26
    -767,75 (-2,55%)
     
  • NIKKEI

    28.546,18
    -276,11 (-0,96%)
     
  • NASDAQ

    13.414,75
    -60,75 (-0,45%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,6920
    +0,0558 (+0,84%)
     

Recuperação econômica na China fortalece o yuan sobre o dólar

Sébastien RICCI
·2 minuto de leitura
Notas de 100 yuanes (em vermelho) e notas de 100 dólares

A moeda chinesa alcançou nesta terça-feira (5) seu maior valor em relação ao dólar em mais de dois anos, impulsionada pelas perspectivas de crescimento na China, enquanto a economia mundial continua profundamente afetada pela pandemia.

O yuan não é totalmente conversível e o Banco Central do país estabelece uma flutuação máxima de 2% em um sentido ou outro.

Na manhã desta terça-feira, horário de Pequim, a moeda foi cotada a 6,4381 yuanes por dólar, 0,34% a mais que no dia anterior.

Esse é o nível mais elevado desde junho de 2018, pouco antes do início das medidas comerciais punitivas dos Estados Unidos contra a China.

O governo de Donald Trump, que acusou a China de desvalorizar sua moeda para obter vantagens comerciais, retirou finalmente o país de sua lista de Estados manipuladores há apenas um ano, pouco antes de uma trégua comercial bilateral.

"A valorização do yuan reflete a resistência da economia chinesa à pandemia, mas também à guerra comercial com Estados Unidos", disse à AFP o analista Rajiv Biswas do IHS Markit.

O aumento da cotação da moeda chinesa também se deve à desvalorização geral do dólar em relação a outras moedas, como o euro e o iene, segundo Biswas.

A China foi o primeiro país afetado pela covid-19 no final de 2019 e também foi o primeiro país que retomou sua atividade graças aos controles rigorosos de deslocamentos, ao uso generalizado da máscara, a medidas de confinamento e ao rastreamento de contatos com celulares.

Como resultado, o gigante asiático "continuará sendo fundamentalmente este ano a locomotiva da recuperação mundial", enquanto as principais economias importantes, entre elas a dos Estados Unidos, continuam castigadas pelo vírus, segundo o analista Ken Cheung do Mizuho Bank.

A China, que conseguiu controlar a epidemia em grande parte de seu território, deve ser um dos poucos países a anunciar, em meados de janeiro, um crescimento positivo em 2020. E o mercado está "convencido" de que continuará sendo "excepcional" no início de 2021, segundo Cheung.

O governo Trump, que responsabiliza a China pelo enorme déficit comercial dos Estados Unidos, lançou em 2018 uma guerra de tarifas com Pequim.

O confronto levou à imposição mútua de tarifas em diversos tipos de bens e desestabilizou a economia mundial.

Como resultado dessas tensões, o comércio entre as duas potências diminuiu e a valorização do yuan sobre o dólar ilustra este fenômeno, segundo Stephen Innes, analista da Axi.

No entanto, o superávit comercial da China com os Estados Unidos quebrou todos os recordes em novembro (+52% em ritmo anual), com uma forte demanda de equipamentos médicos fabricados na China, especialmente máscaras.

As exportações são um dos pilares da economia chinesa, mas um yuan mais forte tem o efeito de aumentar os preços em dólares dos produtos chineses, enquanto os produtos americanos estão se tornando mais competitivos no mercado chinês.

sbr/bar/sl/pc/zm/aa