Mercado abrirá em 7 h 30 min
  • BOVESPA

    111.878,53
    +478,62 (+0,43%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    43.674,83
    +779,20 (+1,82%)
     
  • PETROLEO CRU

    45,20
    -0,08 (-0,18%)
     
  • OURO

    1.838,90
    +8,70 (+0,48%)
     
  • BTC-USD

    19.056,24
    -25,11 (-0,13%)
     
  • CMC Crypto 200

    374,18
    +9,26 (+2,54%)
     
  • S&P500

    3.669,01
    +6,56 (+0,18%)
     
  • DOW JONES

    29.883,79
    +59,87 (+0,20%)
     
  • FTSE

    6.463,39
    +78,66 (+1,23%)
     
  • HANG SENG

    26.682,16
    +149,58 (+0,56%)
     
  • NIKKEI

    26.805,29
    +4,31 (+0,02%)
     
  • NASDAQ

    12.480,50
    +26,25 (+0,21%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3614
    +0,0416 (+0,66%)
     

Recuperação e tributação, duas prioridades da agenda econômica de Biden

Chris STEIN
·3 minuto de leitura
O candidato democrata Joe Biden discursa em Wilmington, Delaware, 5 de novembro de 2020
O candidato democrata Joe Biden discursa em Wilmington, Delaware, 5 de novembro de 2020

Quando Joe Biden assumir o cargo na Casa Branca, em janeiro de 2021, terá a difícil tarefa de realizar a recuperação da maior potência econômica mundial. 

A economia dos Estados Unidos está saindo lentamente da recessão histórica causada pela pandemia de covid-19. 

Com milhões de desempregados, a crise econômica e social provavelmente desempenhou um papel importante na vitória do candidato democrata sobre o presidente republicano Donald Trump.

Durante sua campanha, Biden, de 77 anos, prometeu aumentar o salário mínimo, mudar a tributação, investir maciçamente em infraestrutura ou reduzir as emissões de CO2 do país. 

Mas para fazer isso, ele deve primeiro controlar a pandemia, enquanto luta com um Congresso que poderá ficar dividido entre uma Câmara de maioria democrata e um Senado dominado pelos republicanos, que poderia se opor a qualquer proposta do novo governo. 

Duas eleições especiais marcadas para 5 de janeiro no estado da Geórgia determinarão qual partido terá o controle do Senado. 

“É um programa político ambicioso”, reconhece Shai Akabas, chefe de política econômica do think tank Bipartisan Policy Center.

- Imposto para os ricos -

Como o ex-presidente Barack Obama, de quem Biden foi vice-presidente, o futuro inquilino da Casa Branca tomará posse em um momento de dificuldades econômicas. 

O plano de ajuda de US$ 2,2 trilhões adotado em março amorteceu o impacto da crise causada pela pandemia. Mas essas concessões começaram a expirar no final de julho, e o Congresso não conseguiu chegar a um acordo para estendê-lo. 

Há pouca chance de que os obstáculos entre republicanos e democratas sejam superados nas semanas finais da presidência de Trump. A votação de um novo plano de ajuda pode, portanto, ser uma das primeiras questões espinhosas para Biden. 

O democrata provavelmente se encarregará da tributação mais tarde. Em 2017, Trump cortou impostos sobre empresas e os ricos. 

De acordo com Mark Duggan, diretor do Instituto Stanford de Pesquisa de Política Econômica, Biden aumentará os impostos sobre as grandes empresas do país e sobre as pessoas que ganham mais de US$ 400.000 por ano. 

"Para pessoas de alta renda", as mudanças na política fiscal "serão bastante significativas", diz Duggan. De resto, "serão mínimas".

- Oposição -

Esse aumento de impostos para os ricos pode gerar novas fontes de renda no curto prazo, mas prejudica a atividade e os benefícios do plano de recuperação, "aumentando drasticamente as taxas para os empregadores", alerta Kyle Pomerleau, do American Enterprise Institute. 

O plano para a economia de Biden inclui, por outro lado, US$ 1,3 trilhão em investimentos em infraestrutura, aumento do salário mínimo, licença médica remunerada, além de uma política de estímulo à produção nacional. 

No exterior, Biden deve encontrar uma forma de unir o Partido Democrata na política comercial em um momento em que o país está envolvido em conflitos com Europa e China. 

Segundo o banco de investimentos JP Morgan, o novo presidente provavelmente tentará aliviar as tensões com Pequim sem modificar imediatamente o acordo bilateral. 

Quando ele agir, fará isso juntamente com seus aliados na Europa, ao contrário da abordagem unilateral de Trump, de acordo com JP Morgan. 

"O governo Biden continuará desfazendo os laços tecnológicos com a China, mas o fará sistematicamente dentro das estruturas das regulamentações nacionais e internacionais", antecipou o banco em relatório. 

Uma das principais dificuldades do novo governo será o déficit orçamentário, que atingiu 3,1 trilhões de dólares no último ano fiscal encerrado em 30 de setembro, devido a despesas emergenciais relacionadas ao coronavírus. 

Duggan, um ex-membro do governo Obama, diz que o aumento de impostos planejado não será suficiente para reduzir esse déficit no contexto atual.

cs/Dt/lo/cjc/gma/yoww/cc