Mercado fechado
  • BOVESPA

    117.197,82
    +967,82 (+0,83%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.845,83
    -200,77 (-0,44%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,91
    +0,15 (+0,17%)
     
  • OURO

    1.723,70
    +2,90 (+0,17%)
     
  • BTC-USD

    20.087,14
    -208,75 (-1,03%)
     
  • CMC Crypto 200

    456,09
    -2,31 (-0,50%)
     
  • S&P500

    3.783,28
    -7,65 (-0,20%)
     
  • DOW JONES

    30.273,87
    -42,43 (-0,14%)
     
  • FTSE

    7.052,62
    -33,84 (-0,48%)
     
  • HANG SENG

    18.087,97
    +1.008,47 (+5,90%)
     
  • NIKKEI

    27.120,53
    +128,33 (+0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.621,50
    -2,25 (-0,02%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1376
    -0,0303 (-0,59%)
     

Recuperação da China oscila com desaceleração global e seca

(Bloomberg) -- A economia da China continuou a se recuperar em agosto, mas surgem sinais de alerta em várias frentes, à medida que a seca e a demanda global mais fraca pioram as perspectivas de crescimento.

Essa é o cenário com base no índice agregado da Bloomberg de oito indicadores iniciais para este mês. O indicador geral estava em 5, inalterado em relação a julho, sinalizando que o impulso se estabilizou.

A forte demanda externa por produtos chineses, que ajudou a compensar alguns dos danos causados por bloqueios de Covid aos gastos domésticos, se enfraqueceu acentuadamente em agosto. As exportações sul-coreanas, um dos principais indicadores do comércio global, mal cresceu nos primeiros 20 dias deste mês em relação ao ano anterior.

O aumento de 0,5% nos embarques diários médios da Coreia do Sul foram os mais fracos desde o final de 2020 e tiveram uma desaceleração acentuada em relação ao aumento de 14,5% no mesmo período do mês passado. Uma queda em julho nas exportações de Hong Kong também mostrou como um esfriamento da economia global, aumentos de juros em todo o mundo e lockdowns afetaram a demanda.

Para a economia doméstica da China, o quadro também não é cor-de-rosa. A queda do mercado imobiliário se estendeu até agosto, com as vendas caindo nas quatro principais cidades da China. Isso apesar de meses de esforços do governo para aumentar os empréstimos para compradores de imóveis, reduzir os juros de financiamento e permitir mais flexibilidade no valor que os mutuários dão de entrada.

Os últimos dados oficiais mostraram que o financiamento imobiliário em julho cresceu à taxa mais fraca desde que a série começou em 2012. Os juros provavelmente continuarão a serem cortadas para uma mínima recorde de 4,1% depois que os bancos reduziram sua taxa básica de empréstimos de cinco anos em 0,15 ponto percentual no início desta semana para impulsionar a demanda.

O crescimento nas vendas de carros também foi muito mais lento do que em julho, outra indicação de demanda doméstica fraca. O primeiro-ministro Li Keqiang prometeu na semana passada manter políticas que visam aumentar as vendas e estimular a demanda por automóveis mais limpos como parte de esforços para apoiar o desenvolvimento da indústria de veículos elétricos.

Novos ventos contrários econômicos neste mês, incluindo uma crise de energia e surtos de Covid, prejudicaram a confiança dos negócios, especialmente entre as empresas menores. Uma pesquisa do Standard Chartered com mais de 500 empresas menores mostrou que a confiança caiu em agosto quando a atividade produtiva se “desacelerou significativamente”, novos pedidos se enfraqueceram e os custos de financiamento bancário aumentaram.

More stories like this are available on bloomberg.com

©2022 Bloomberg L.P.