Mercado fechará em 21 mins
  • BOVESPA

    117.217,36
    +987,24 (+0,85%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    45.666,19
    -380,39 (-0,83%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,72
    +1,20 (+1,39%)
     
  • OURO

    1.725,80
    -4,70 (-0,27%)
     
  • BTC-USD

    20.211,98
    +108,91 (+0,54%)
     
  • CMC Crypto 200

    458,46
    +0,05 (+0,01%)
     
  • S&P500

    3.796,58
    +5,65 (+0,15%)
     
  • DOW JONES

    30.376,52
    +60,20 (+0,20%)
     
  • FTSE

    7.052,62
    -33,84 (-0,48%)
     
  • HANG SENG

    18.087,97
    +1.008,46 (+5,90%)
     
  • NIKKEI

    27.120,53
    +128,32 (+0,48%)
     
  • NASDAQ

    11.668,50
    +27,75 (+0,24%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,1157
    -0,0522 (-1,01%)
     

Recuo da inflação pode fazer juros caírem em 2023, diz Guedes

***FOTO DE ARQUIVO*** SÃO PAULO, SP, 08/09/2022 - O ministro da Economia, Paulo Guedes. (Foto: Rivaldo Gomes/Folhapress)
***FOTO DE ARQUIVO*** SÃO PAULO, SP, 08/09/2022 - O ministro da Economia, Paulo Guedes. (Foto: Rivaldo Gomes/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (AGÊNCIA BRASIL) - O ciclo de alta de juros no Brasil está perto do fim, disse nesta segunda-feira (19) o ministro da Economia, Paulo Guedes. Durante o congresso da Abimaq (Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos), ele afirmou que o recuo da inflação deve fazer as taxas caírem em 2023, beneficiando o setor produtivo.

“Como o nosso Banco Central já subiu juros desde o ano passado, este ano deve estar se completando o processo de alta. Daqui para a frente, à medida que a economia vai avançando e a inflação vai cedendo, mesmo com algum grau de resistência, o que vamos observar para o ano que vem possivelmente são os juros descendo”, declarou o ministro.

De acordo com Guedes, a situação fiscal do país está consolidada, com a arrecadação crescendo mesmo com as desonerações promovidas neste ano. Ele reiterou que a política monetária brasileira está à frente de outros países, com o Brasil tendo aumentado os juros antes do resto do mundo e com a possibilidade de começar a diminuir as taxas antes dos demais países.

O ministro reafirmou que a gestão atual trabalha com uma taxa de equilíbrio que inclua juros mais baixos e câmbio de equilíbrio mais alto. Para ele, a manutenção do dólar acima de R$ 5 é mais realista no médio prazo. “A taxa de câmbio é mais realista agora. Com a política fiscal mais forte, o juro neutro é mais baixo e o câmbio de equilíbrio é mais alto. Todo bom economista sabe disso e reconhece isso”, afirmou.

Guedes deu as declarações na semana em que o Comitê de Política Monetária (Copom) se reúne para decidir se mantém a taxa Selic (juros básicos da economia) em 13,75% ao ano ou elevar para 14%. Há algumas semanas, o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, disse que o órgão não pensa em queda de juros neste momento e que a inflação ainda não está sob controle.

IPI

Segundo o ministro, o dólar mais alto e a desoneração do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) ajudarão a indústria daqui para a frente. “Essas duas lâminas que cortavam a indústria, juros altos e câmbio subvalorizado, já foram removidas. Agora estamos atacando a ferramenta de desindustrialização em massa que é o IPI. Cortamos 35% das alíquotas”, disse.

Guedes declarou ainda que uma eventual reforma permitirá ao Brasil tributar dividendos e corrigir a tabela do Imposto de Renda da Pessoa Física. Em relação ao Mercosul, o ministro afirmou que a redução da Tarifa Externa Comum está congelada até que outros impostos sejam reduzidos. Acrescentou que o governo está comprometido com a proteção da indústria brasileira no fechamento de novos acordos comerciais.