Mercado fechará em 5 h 44 min
  • BOVESPA

    119.780,95
    -281,04 (-0,23%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    48.734,94
    -132,68 (-0,27%)
     
  • PETROLEO CRU

    61,10
    -0,25 (-0,41%)
     
  • OURO

    1.786,20
    -6,90 (-0,38%)
     
  • BTC-USD

    54.679,64
    -694,85 (-1,25%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.277,30
    +34,25 (+2,76%)
     
  • S&P500

    4.165,29
    -8,13 (-0,19%)
     
  • DOW JONES

    34.019,22
    -118,09 (-0,35%)
     
  • FTSE

    6.913,26
    +17,97 (+0,26%)
     
  • HANG SENG

    28.755,34
    +133,42 (+0,47%)
     
  • NIKKEI

    29.188,17
    +679,62 (+2,38%)
     
  • NASDAQ

    13.888,75
    -30,50 (-0,22%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,5982
    -0,1038 (-1,55%)
     

Recrudescimento da pandemia justificou corte em projeção para PIB de 2021, diz diretor do BC

·1 minuto de leitura
Sede do Banco Central, em Brasília

BRASÍLIA (Reuters) - O diretor de Política Econômica do Banco Central, Fabio Kanczuk, disse nesta quinta-feira que a redução da projeção da autarquia para o crescimento da atividade em 2021 refletiu a surpresa relacionada ao recrudescimento da pandemia.

Ainda assim, Kanczuk destacou que a estimativa, de alta de 3,6%, está acima do projetado pelo mercado na pesquisa Focus, o que está relacionado a uma expectativa de recuperação mais robusta do BC no segundo semestre. O mercado espera expansão de 3,22%.

"No primeiro semestre, os nossos números são ligeiramente abaixo do Focus, e a diferença que justifica o número mais alto no fim é que o segundo semestre a gente vê uma recuperação mais robusta. Isso em parte pelo que a gente aprendeu com os efeitos da pandemia sobre a economia no passado, em parte com a questão da disseminação da vacinação", disse Kanczuk em apresentação do Relatório Trimestral de Inflação (RTI).

Ele afirmou que os indicadores do país por ora seguem mostrando recuperação em formato de "V".

O BC reduziu sua projeção para o crescimento do PIB para 3,6%, ante alta de 3,8% projetada em dezembro.

(Por Isabel Versiani, reportagem adicional de Patrícia Vilas Boas)