Mercado fechado
  • BOVESPA

    110.249,73
    +1.405,98 (+1,29%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.828,13
    +270,48 (+0,53%)
     
  • PETROLEO CRU

    70,51
    +0,22 (+0,31%)
     
  • OURO

    1.774,90
    +11,10 (+0,63%)
     
  • BTC-USD

    41.350,51
    -2.352,17 (-5,38%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.025,21
    -38,63 (-3,63%)
     
  • S&P500

    4.354,19
    -3,54 (-0,08%)
     
  • DOW JONES

    33.919,84
    -50,63 (-0,15%)
     
  • FTSE

    6.980,98
    +77,07 (+1,12%)
     
  • HANG SENG

    24.221,54
    +122,40 (+0,51%)
     
  • NIKKEI

    29.839,71
    -660,34 (-2,17%)
     
  • NASDAQ

    14.969,25
    -40,25 (-0,27%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,1855
    -0,0592 (-0,95%)
     

Recorde mundial precisará ser quebrado se equipes quiserem garantir o ouro no ciclismo em Tóquio

·2 minuto de leitura

Por Martyn Herman

TÓQUIO (Reuters) - Quando o time britânico de ciclismo, na modalidade perseguição por equipes em 4 km, quebrou o recorde mundial duas vezes em um só dia para conquistar o ouro nos Jogos do Rio há cinco anos, parecia que a barra havia subido até o limite.

O quarteto formado por Ed Clancy, Owain Doull, Steven Burke e Bradley Wiggins registrou 3:50.265 para bater a Austrália e dar ao Reino Unido o terceiro ouro olímpico consecutivo.

A marca da vitória havia sido 1,4 segundos mais rápida do que o recorde mundial anterior estabelecido em Londres-2012, e isso apenas torna o que aconteceu desde então ainda mais surpreendente.

A Austrália foi a primeira a elevar seu nível no ciclismo por equipes, baixando o recorde mundial para 3:49.80 e depois para 3:48.01 em 2018 e 2019 respectivamente.

Então vieram os dinamarqueses. No campeonato mundial de 2020 em Berlim, a seleção dinamarquesa não só bateu o recorde, como o destruiu três vezes em dois dias antes de assegurar a medalha de ouro.

No momento em que Lasse Norman Hansen, Julius Johansen, Frederik Rodenberg e Rasmus Pedersen terminaram, a nova melhor marca na prova de ciclismo de pista azul já havia se transformado em 3:44.67.

O recorde mundial feminino do Reino Unido de 4:10.236 estabelecido nas Olimpíadas de 2016, ocasião em que baixaram a marca três vezes, persiste, mas esta semana no velódromo olímpico de Izu uma nova marca pode ser quebrada.

Ed Clancy, que persegue a quarta medalha de ouro olímpica na perseguição por equipes, admite que a Dinamarca transformou a modalidade.

Mas, para manter a coroa, o Reino Unido deve conseguir baixar pelo menos sete segundos da marca obtida em Berlim no ano passado.

(Reportagem de Martyn Herman; Edição de Hugh Lawson)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos