Mercado fechado
  • BOVESPA

    122.979,96
    +42,09 (+0,03%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.789,31
    +417,33 (+0,85%)
     
  • PETROLEO CRU

    64,76
    -0,73 (-1,11%)
     
  • OURO

    1.867,70
    -0,30 (-0,02%)
     
  • BTC-USD

    40.837,70
    -4.156,16 (-9,24%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.137,87
    -115,27 (-9,20%)
     
  • S&P500

    4.127,83
    -35,46 (-0,85%)
     
  • DOW JONES

    34.060,66
    -267,13 (-0,78%)
     
  • FTSE

    7.034,24
    +1,39 (+0,02%)
     
  • HANG SENG

    28.593,81
    +399,72 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    28.008,09
    -398,75 (-1,40%)
     
  • NASDAQ

    13.174,75
    -37,25 (-0,28%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4309
    +0,0008 (+0,01%)
     

Recorde diário de casos de Covid deixa Argentina em alerta

·1 minuto de leitura
Foto de trabalhadora fazendo exames para detecção de covid-19 em posto de saúde instalado no Centro de Convenções Costa Salguero, em Buenos Aires, em 5 de abril de 2021

Um recorde de 27.001 casos de Covid-19 nas últimas 24 horas fez soar o alerta na Argentina, cujo governo começou hoje a analisar novas medidas e restrições. O país soma 2.579.000 casos da doença desde o começo da pandemia, com 217 mortos em apenas um dia e um total de 58.174 óbitos.

"Estamos diante de um grande aumento da velocidade de transmissão do vírus, com o surgimento de novas variantes", explicou Analía Rearte, vice-presidente da Sociedade Argentina de Vacinologia e Epidemiologia, após uma reunião de emergência de especialistas com autoridades do governo Alberto Fernández.

Em um país de 45,4 milhões de habitantes, o governo conseguiu adquirir mais de 7 milhões de vacinas de diferentes origens e já aplicou quase 5,7 milhões de doses. Os índices de mortalidade e contágio chegam a 128 e 5.559 a cada 100.00 habitantes, respectivamente, e estão entre os piores das Américas.

"As reuniões informais nos preocupam como principal fonte de contágios", assinalou Juan Manuel Castelli, chefe de estratégias sanitárias do Ministério da Saúde. A ocupação de leitos na região metropolitana de Buenos Aires passou em duas semanas de 56% para mais de 70%.

dm/rsr/lb