Mercado fechado

Recontagem de votos no Uruguai não deve alterar resultado

Marsílea Gombata

O direitista Luis Lacalle Pou, do Partido Nacional, deverá ser declarado presidente com mais de 48% dos votos O próximo presidente do Uruguai só será conhecido no fim da semana. Até lá, a Corte Eleitoral fará a recontagem dos votos anulados e contará 35 mil "votos observados", de eleitores que tiveram de votar fora de sua zona eleitoral, como funcionários do órgão eleitoral ou soldados que trabalharam na eleição de domingo.

A contagem desses "votos observados" é feita em toda eleição com certo atraso, afirma o analista Guillermo Tolosa, da consultoria Oxford Economics. Mas se tornou o centro da atenção nesta segunda-feira, um dia depois do segundo turno, dada a estreita diferença entre os dois candidatos.

Luis Lacalle Pou, do Partido Nacional, obteve 48,71% dos votos

Matilde Campodonico/AP

Segundo a contagem oficial, o direitista Luis Lacalle Pou, do Partido Nacional, obteve 48,71% dos votos e o esquerdista Daniel Martínez, da Frente Ampla, 47,51%. A diferença, de pouco mais de ponto percentual, significa cerca de 30 mil votos.

Segundo Tolosa, no entanto, a contagem dos 35 mil votos observados mais os votos anulados dificilmente alterará o resultado da eleição. "Para alterar, Martínez teria de ter 90% dos votos observados, o que parece muito improvável", diz ele, ao estimar que entre 50% e 60% desses votos irão para Martínez.

O analista da Oxford Economics acrescenta que os votos anulados somam cerca de 50 mil, mas afirma que em geral 90% continuam anulados após a recontagem. Isso indica que essa recontagem influirá pouco sobre o resultado, afirma.

"Farão a recontagem dos anulados e contarão os votos observados para poder definir o ganhador oficial, dada a margem apertada", diz Tolosa. "Mas é uma mera formalidade."