Mercado abrirá em 1 h 8 min
  • BOVESPA

    122.937,87
    +1.057,05 (+0,87%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.371,98
    +152,72 (+0,31%)
     
  • PETROLEO CRU

    66,50
    +0,23 (+0,35%)
     
  • OURO

    1.868,90
    +1,30 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    45.666,16
    +64,88 (+0,14%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.274,73
    +76,82 (+6,41%)
     
  • S&P500

    4.163,29
    -10,56 (-0,25%)
     
  • DOW JONES

    34.327,79
    -54,34 (-0,16%)
     
  • FTSE

    7.060,33
    +27,48 (+0,39%)
     
  • HANG SENG

    28.593,81
    +399,72 (+1,42%)
     
  • NIKKEI

    28.406,84
    +582,01 (+2,09%)
     
  • NASDAQ

    13.378,25
    +74,75 (+0,56%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,4438
    +0,0339 (+0,53%)
     

Reconhecimento facial deve ser banido, diz regulador de privacidade da UE

Foo Yun Chee
·1 minuto de leitura

Por Foo Yun Chee

BRUXELAS (Reuters) - O reconhecimento facial deve ser proibido na Europa por causa de sua "intrusão profunda e não democrática" na vida privada das pessoas, disse nesta sexta-feira a Autoridade Europeia para a Proteção de Dados (AEPD), órgão de vigilância da privacidade da União Europeia.

Os comentários foram feitos dois dias depois que a Comissão Europeia propôs um projeto de regras que permitiria o uso do reconhecimento facial para procurar crianças desaparecidas, criminosos e pessoas em casos de ataques terroristas.

O projeto, que precisa ser discutido com os países da UE e o Parlamento Europeu, é uma tentativa da Comissão de definir regras globais para a inteligência artificial (IA), tecnologia dominada pela China e pelos Estados Unidos.

A AEPD disse que lamentava que a Comissão não tivesse atendido ao seu apelo anterior para proibir o reconhecimento facial em espaços públicos.

"Uma abordagem mais rígida é necessária, já que a identificação biométrica remota, em que a IA pode contribuir para avanços sem precedentes, apresenta riscos extremamente altos de intrusão profunda e não democrática na vida privada dos indivíduos", disse o órgão de vigilância da privacidade em comunicado.

"A AEPD focará, em particular, no estabelecimento de limites precisos para as ferramentas e sistemas que podem representar riscos à proteção de dados e à privacidade, que são direitos fundamentais."

As propostas da Comissão geraram críticas de grupos que defendem os direitos civis, preocupados com as brechas que podem permitir que governos autoritários abusem de inteligência artificial para reprimir os direitos das pessoas.