Mercado fechado
  • BOVESPA

    111.910,10
    -701,55 (-0,62%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    50.661,86
    +195,84 (+0,39%)
     
  • PETROLEO CRU

    87,29
    +0,68 (+0,79%)
     
  • OURO

    1.792,30
    -2,70 (-0,15%)
     
  • BTC-USD

    37.655,72
    +1.046,63 (+2,86%)
     
  • CMC Crypto 200

    863,83
    +21,37 (+2,54%)
     
  • S&P500

    4.431,85
    +105,34 (+2,43%)
     
  • DOW JONES

    34.725,47
    +564,69 (+1,65%)
     
  • FTSE

    7.466,07
    -88,24 (-1,17%)
     
  • HANG SENG

    23.550,08
    -256,92 (-1,08%)
     
  • NIKKEI

    26.717,34
    +547,04 (+2,09%)
     
  • NASDAQ

    14.430,25
    +443,50 (+3,17%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    5,9813
    -0,0427 (-0,71%)
     

Recife enfrenta surto de superfungo, alerta Anvisa

·3 min de leitura

Após confirmação do primeiro caso do superfungo Candida auris, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária alerta para o surto do agente infeccioso na cidade de Recife, em Pernambuco. De acordo com a Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE), outros dois casos suspeitos da infecção estão em fase de investigação.

Em nota técnica, divulgada na quarta-feira (12), a Anvisa explica que o agente infeccioso "Candida auris é um fungo emergente que representa uma séria ameaça à saúde pública". No Brasil, este é o terceiro surto do fungo rastreado pelas autoridades de saúde locais. No mundo, o primeiro caso conhecido é de 2009, quando infectou uma mulher japonesa.

Hospital de Recife confirma caso de infecção por superfungo (Imagem: Reprodução/Andrea Piacquadio/Pexels)
Hospital de Recife confirma caso de infecção por superfungo (Imagem: Reprodução/Andrea Piacquadio/Pexels)

A agência lembra que, apesar de haver um único caso confirmado do superfungo em um homem, "pode-se considerar que há um surto de Candida auris, porque a definição epidemiológica de surto abrange não apenas uma grande quantidade de casos de doenças contagiosas ou de ordem sanitária, mas também o surgimento de um microrganismo novo na epidemiologia de um país ou até de um serviço de saúde — mesmo se for apenas um caso".

Segundo a Anvisa, "desde a identificação do caso suspeito, o hospital [mais especificamente, o Hospital da Restauração] estabeleceu as medidas de precaução e adotou ações para prevenção e controle do surto". Além disso, os laboratórios de microbiologia devem intensificar a vigilância laboratorial para o superfungo.

O que é Candida auris?

O fungo pode causar infecção de corrente sanguínea e outras infecções invasivas. Nesse sentindo, a doença pode ser fatal, principalmente em pacientes imunodeprimidos ou com comorbidades, segundo a Anvisa. O Candida auris é conhecido por ser resistente a praticamente todos os medicamentos existentes e, por isso, é classificado como um superfungo.

Caso de superfungo <em>Candida auris</em> é confirmado pela Anvisa (Image: Reprodução/Shawn Lockhart/CDC)
Caso de superfungo Candida auris é confirmado pela Anvisa (Image: Reprodução/Shawn Lockhart/CDC)

"Esse fungo é resistente a maioria dos medicamentos fungicidas para tratamento da maioria dessas ocorrências. Ele é um organismo emergente que há alguns anos vem se propagando entre os hospitais do mundo todo”, explicou George Dimech, epidemiologista da SES-PE, para o G1.

É fácil de ser eliminado?

O agente infeccioso apresenta elevada propensão em causar surtos por causa da dificuldade do diagnóstico pelos métodos laboratoriais rotineiros e pela difícil eliminação de ambientes contaminados.

Inclusive, o fungo pode permanecer viável por longos períodos no ambiente — semanas ou meses. Além disso, "apresenta resistência a diversos desinfetantes, entre os quais, os que são à base de quaternário de amônio", explica a Anvisa.

Como foi feito o teste do superfungo?

De acordo com as autoridades de saúde, a identificação do primeiro caso foi confirmada pelo laboratório de referência da região, o Laboratório Central de Saúde Pública Prof. Gonçalo Moniz – Lacen/BA.

Para chegar a essa identificação, a amostra passou por análises utilizando o Maldi-Tof (Matrix-Assisted Laser Desorption Ionization Time-of-Light). Este método usa ionização para diagnosticar as proteínas de uma bactéria ou fungo.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos