Mercado fechado
  • BOVESPA

    102.224,26
    -3.586,99 (-3,39%)
     
  • MERVAL

    38.390,84
    +233,89 (+0,61%)
     
  • MXX

    49.492,52
    -1.132,48 (-2,24%)
     
  • PETROLEO CRU

    68,15
    -10,24 (-13,06%)
     
  • OURO

    1.785,50
    +1,20 (+0,07%)
     
  • BTC-USD

    54.476,01
    -3.125,29 (-5,43%)
     
  • CMC Crypto 200

    1.365,60
    -89,82 (-6,17%)
     
  • S&P500

    4.594,62
    -106,84 (-2,27%)
     
  • DOW JONES

    34.899,34
    -905,04 (-2,53%)
     
  • FTSE

    7.044,03
    -266,34 (-3,64%)
     
  • HANG SENG

    24.080,52
    -659,64 (-2,67%)
     
  • NIKKEI

    28.751,62
    -747,66 (-2,53%)
     
  • NASDAQ

    16.051,00
    -315,00 (-1,92%)
     
  • BATS 1000 Index

    0,0000
    0,0000 (0,00%)
     
  • EURO/R$

    6,3485
    +0,1103 (+1,77%)
     

Receptor do cérebro pode ser o segredo para futuros tratamentos contra depressão

·1 min de leitura

Um estudo publicado nesta quinta-feira (18) na revista científica Science descobriu a relação entre a depressão e um receptor do cérebro chamado GPR158. Conduzido por cientistas da Columbia University (EUA) e do Indian Institute of Technology in Kanpur (Índia), o artigo sugere que bloquear esse receptor pode servir como uma estratégia para o tratamento de vários transtornos mentais.

Para definir essa relação, os pesquisadores se concentraram em mapear todo o receptor GPR158, avulso e quando ligado a um grupo de proteínas. Eles notaram que quando os níveis desse receptor foram drasticamente elevados em camundongos, o resultado foi um comportamento semelhante ao da depressão, enquanto a eliminação da atividade do receptor levou a um resultado oposto.

Desvendar receptor cerebral pode ajudar a combater depressão (Imagem: Martemyanov et al., 2021)
Desvendar receptor cerebral pode ajudar a combater depressão (Imagem: Martemyanov et al., 2021)

O estudo contou com uma técnica chamada microscopia eletrônica criogênica, em que se utiliza feixe de elétrons em vez de luz para criar as imagens de proteínas a frio. O comprimento de onda mais curto dos elétrons em comparação com a luz permitiu visualizar as amostras. O próximo desafio desse grupo de pesquisadores é usar as informações coletadas da estrutura do GPR158 para desenvolver uma terapia que bloqueie o receptor, combatendo assim a depressão.

Fonte: Canaltech

Trending no Canaltech:

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos